terça-feira, novembro 26

Curtíssimas.

1. A possibilidade de Fernando representar a Selecção Nacional está em cima da mesa de Paulo Bento. A minha opinião mantém-se e sou manifestamente contra a utilização de jogadores naturalizados quando existem alternativas óbvias para o lugar em questão.

2. Avança hoje o FCP na Liga dos Campeões, em casa, frente ao Áustria de Viena. Só a vitória interessa, apesar das contas complicadas. Paulo Fonseca fora da LC e o pavio ficará mais curto do que nunca.

3. Amanhã o Benfica defronta o Anderlecht e mesmo que vença, as contas continuarão muito complicadas. Não deve haver muitos benfiquistas optimistas, sequer, na vitória no jogo de amanhã.

14 comentários:

Cantinho do Morais disse...

1. Não me incomoda a presença de Fernando na Selecção. O que pensará Veloso? Custódio está fora e William para lá caminha. Até Maio/Junho haverá tempo para o integrar na equipa? Ou o seu 1º jogo será mesmo no Mundial? Será que assim vai renovar com o Porto?

2. Porto hoje passa para o 2º lugar. Meio Atlético verga este Zenit italiano. Zenit perdeu a sua oportunidade quando não venceu o Austria em casa. Hoje no Dragão será o massacre e redenção. Goleada.

3. Benfica vence. Belgas não estão ao nível do conjunto das individualidades do Benfica.

Mr. Shankly disse...

1. Se é um português de pleno direito, pode ser convocado, é a minha opinião. Mas para quê um trinco mais, quando o que precisamos é de avançados? O Lima não pode ser convocado ainda?

Por outro lado, ia-se estrear numa convocatória agora, depois de os outros terem feito a qualificação? Isto destrói um grupo.

2. O Porto ganha fácil, mas a qualificação é muito complicada.

3. É possível que nem ganhemos, mas se ganharmos tudo é possível.

luis disse...

É um jogador naturalizado português. Não é português.

Mas o que eu questiono é mesmo a necessidade. Não há.

Penso que por ser naturalizado não pode, por exemplo, candidatar-se a Presidente da República.

Pedro disse...

Sempre a mesma merda de conversa das naturalizações...deve estar a ser necessário para que Fernando possa ser vendido.

Mr. Shankly disse...

"É um jogador naturalizado português. Não é português."

Não penso assim. Se eu fosse viver para os EUA, por exemplo, gostava de ser considerado um membro de pleno direito da sociedade se vivesse lá há determinado número de anos.

Tasqueiro Emigrante disse...

luis,

segundo a tua linha de pensamento, o que achas então do Eusébio ter atuado na Selecção sendo ele Moçambicano de nascença?

luis disse...

Tasqueiro, a minha linha de pensamento não se cruza em momento algum com a tua, pelo que, esta conversa, não vai continuar.

Shankly, os plenos direitos importantes devem ser garantidos. Jogar numa selecção não necessariamente.

Não há volta a dar quando um conceito define o nascimento e outro define a naturalização. Não fui eu que inventei.

Uma pessoa naturalizada portuguesa não pode candidatar-se a Presidente da República.

Achas mal? Eu não.

Considero que o naturalizado é menos do que os outros? Não, obviamente que não.

LDP disse...

Nada contra jogadores naturalizados, mas este processo cheira um bocado mal. A não ser que o Moutinho fique fora da convocatória outra vez...só assim Fernando será uma mais valia. Pois o mais grave é a mudança radical de opinião que Paulo Bento demonstra.

Se o porto não ganha hoje quando ganhará? Talvez quando mudar de treinador. Não é normal perderem-se 5 pontos de vantagem tão cedo no campeonato e alguma cabeça é capaz de ter de rolar.

Ganhar amanhá é o mínimo exigível ao Benfica. Sem vender ninguém no defeso e não conseguir ganhar a uma equipa como o Anderlecht, mesmo fora, é demasiado frustrante.

Tasqueiro Emigrante disse...

LOL luis,

quiseste espalhar a tua "sabedoria" que te esqueceste que o Eusébio também não é português...

Mr. Shankly disse...

"Shankly, os plenos direitos importantes devem ser garantidos. Jogar numa selecção não necessariamente."
Para um futebolista é importante, digo eu. Plenos direitos são isso mesmo, plenos.

Pedro disse...

Se amanhã a Madeira se tornar independente o Ronaldo tb vai deixar de ser português...

Foda-se!!!!!

luis disse...

Calma, Pedro. :)

Shankly, acho que descontextualizaste as minhas palavras.

Referia-me aos direitos fundamentais. Representar uma selecção não é um direito fundamental, pá.

Além disso, quando numa semana um jogador manifesta o desejo de representar o seu país de origem e na outra afinal já quer jogar pela nossa isso quer dizer o quê?

Não quero ser fundamentalista mas parece-me que a utilização de jogadores naturalizados deve ser gerida com especial atenção.

Fernando, não é português e a naturalização não o faz tão português como eu e tu.

Mas se me responderes à minha pergunta posso entender melhor a tua posição: achas bem que um natualizado não possa ser Presidente da República? Porquê?

Jorge Borges disse...

Acho que a questãod e jogar com naturalizados tem que ser vista caso a caso.
Eu, por exemplo acho bem que o Pepe jogue por Portugal, mas nunca aceitei que o Deco o fizesse. A razão da inha opção está no facto do Pepe desde sempre ter recusado a selecção brasileira, ao passo que o deco só aceitou jogar por Portugal porque o seleccionador não o quis na canarinha.

Mr. Shankly disse...

luis, nunca convocaria o Fernando porque já várias vezes disse que queria jogar pelo Brasil. Mas é legítimo que Paulo Bento mande isso às urtigas, tem esse direito e o Fernando tem o direito de agora querer (de forma oportunista) jogar por Portugal. Tem o direito, mas acho mal. E sejamos sinceros, o Pepe nunca recusou o Brasil, simplesmente disseram-lhe que nunca seria convocado. Tal como o Lima e o Isaías não tinham lugar na canarinha, e por isso aceitariam jogar por Portugal. Se tivessem que escolher, escolheriam sempre o Brasil, parece-me óbvio.

Não sei se faz sentiido um naturalizado ser candidato a PR ou não; eu acho que se tem "direito" a pagar impostos e a cumprir a lei do país deve ter direito ao resto. Se todos decidissemos eleger um brasileiro naturalizado, ou um ucraniano, porque não? Se é o que a maioria quer? Mas isso são outros quinhentos.