sábado, novembro 30

E tudo o sistema levou (até a invencibilidade)

A Académica há muito que perdeu um estatuto que conferia validade à analogia que fazia dela uma Universidade do futebol, mas contra este FC Porto não é preciso sair do Ensino Básico para se encontrar uma fórmula para parar os campeões nacionais. Chama-se ela 'a procura do erro' e foi assim que a Briosa aproveitou a incapacidade gritante de uma equipa que está, claramente, crucificada a um sistema que não a deixa jogar. Depois de Braga, Fernando Alexandre matou outro borrego - este com 43 anos - e foi o rosto maior de uma lição que Paulo Fonseca teimou em não aprender quando permitiu, de novo, que a sua ideia de jogo ficasse ligada a mais um capítulo negativo na história do clube. O Porto não perdia para o campeonato desde janeiro de 2012 e, quase dois anos volvidos, voltou a conhecer o sabor da derrota com culpas bem próprias.

Josué, Lucho, Herrera, Carlos Eduardo. São estes os nomes que Paulo Fonseca já prendeu a Fernando e, com eles, o futebol de uma equipa que num passado recente festejou na Alameda do Dragão a sua coragem táctica. De facto, talvez um dos 'problemas' portistas seja a memória colectiva de um passado recente onde a equipa conseguia fazer dois passes seguidos sem cruzar para a área. E, falando no momento ofensivo dos dragões, a história deste Académica-Porto em nada tem a ver com a envolvente circulação de bola criada por André Villas-Boas e explorada ao máximo por Vítor Pereira. Este é um Porto básico, sem soluções e sem alegria pela falta de uma ideia condigna ao tal passado recente que assombra sempre o 'próximo' treinador.

Tudo porque Paulo Fonseca quer cair agarrado a um sistema que não deixa o jogo da equipa fluir. Desta vez foi Josué a ser 'encarcerado' (ao lado de Fernando) e o resultado, para não variar, foi o mesmo. Falta um homem a atacar e falta um homem, no momento em que o FC Porto perde a bola, para prender a equipa adversária mais perto da sua baliza. Este era o momento mais forte do Porto da época passada, o qual está agora reduzido a cinzas quando se nota, a léguas, a falta de pressão, e de organização, na transição defensiva dos azuis e brancos. E Fonseca muda tudo menos a real causa. Como já foi dito, experimenta com Herrera, Josué, Lucho e Carlos Eduardo, desloca Josué e Quintero para uma ala, joga com Licá ou com Varela mas nunca, por nunca, desfaz um 'duplo-pivot' que promete, a cada jogo, levá-lo à desgraça.

Enquanto isso os adversários, como a Académica neste sábado, vão esperando que o desastre, inevitavelmente, aconteça. Se Maicon deixar passar a bola e Helton interromper o remate de Abdi, como aos 28', ou se Mangala cortar na linha uma jogada que nasce de um erro de Alex Sandro, a coisa ainda se disfarça. Mas se, num pontapé de canto, o pequeno Makelele ganhar ao primeiro poste e se Fernando não conseguir aliviar ao segundo, que mais se pode fazer que não esperar que Fernando Alexandre marque?

Mas enquanto o filme se desenrola, o Porto continua de 'duplo-pivot' armado num sistema onde tudo muda menos a real causa do mau jogo. Sem opções de passe - Josué não sobe - as bolas acabam bombeadas para a área. E lá se nota ainda mais a situação aflitiva dos dragões, pois nem todos têm o jeito de Jackson para atirar, pelo menos, à barra (49'). Outros, como Varela atrapalham-se no momento-chave e na queda atiram... ao poste. É o efeito bola-de-neve numa equipa sem confiança na ideia e sem, por consequência, alegria no seu jogo. E quando assim é nem de penálti os golos surgem. Danilo alargou a lista de jogadores que se afastam da área sempre que há uma grande-penalidade a favor do FC Porto quando permitiu a defesa de Ricardo, aos 84'. Assim, todo este cenário mascara muito bem a real causa da doença dos campeões nacionais. É que assim parece que são os pés que estão doentes mas na realidade é o coração (leia-se meio-campo) que já parou de bater há muito, desligando com ele a sanidade de todos os elementos da equipa.

Académica-FC Porto, 1-0 (Fernando Alexandre 44')

Foto: Lusa


www.facebook.com/agambeta

12 comentários:

Joao disse...

Estou confuso. Nao eram estes (juntamente com o Pacos, Olhanense, Rio Ave, Braga, Nacional, etc, etc) que faziam parte do sistema e abriam as pernas para deixar o Porto ganhar?

O que e' mudou na Academica? Ou parte do sistema e' fazer com que o Paulo Fonseca seja despedido?

Se for o caso, convenhamos que e' vontade de querer complicar as coisas.

Tasqueiro Ultra-Copos disse...

o Quintero andou todo o jogo perdido em campo porque o paulinho não sabe o que fazer com ele quando o mete juntamente com o Josué e o Lucho. praquê 3 gajos a fazer (ou tentar fazer) de nº10? deve comer m*rda ás colheres só pode

Jorge Borges disse...

João:
Não te podes queixar do Capela. Trabalhinho dele foi bem feito. A ver se vos passa a choradeira e as piadinhas...
Os habitués (não o Marco, obviamente) hoje nem falam de arbitragem. E era o Capela.

O Porto tem vindo a decrescer de jogo para jogo e era expectável que mais tarde ou mais cedo isto acontecesse. São demasiados erros de casting para a coisa se reverter. Ou ganha em Madrid, ou vejo o Paulo Fonseca a breve techo ganhar mais um título: ser o primeiro treinador despedido do Porto em muitos anos por maus resultados (Del Neri não conta para a estatística).
Há alguns jogadores incompreensivelmente em sub-rendimento.

sar disse...

Capela, enfim, o que dizer...

O "árbitro" que há uns meses ( e nos primeiros minutos do jogo de ontem) não viu nada, perto do fim do jogo viu algo que não aconteceu. Fascinante.

E são estas bostas andantes que vão ser profissionais... profissionais do quê? Do gamanço e do desvirtuar de competições? está tudo minado...

Tasqueiro Ultra-Copos disse...

quanto ao Capela nem falem pois não têm moral, a mama não pode ser sempre pró mesmo. sinceramente ainda bem que perdemos e o penalty foi desperdiçado porque assim depois não vêm aclamar que o Porto foi beneficiado, ao contrário de outros, por um árbitro que nem para as distritais tem qualidade, e que vai ser "profissional", enfim...

LDP disse...

"a mama não pode ser sempre pró mesmo" de facto, depois de 30 anos com o Benfica a ganhar sempre tudo é hora de dar o lugar a outros. De preferência aos que jogam somente dentro das 4 linhas.

Jorge Borges disse...

Não basta beneficiar, é preciso saber aproveitar. O Capela fez o trabalho dele, se os jogadores do Porto não fizerem a parte deles já é outra coisa.

Tasqueiro Emigrante disse...

Felizmente não vi o jogo...

Vi os lances apenas e para mim o penalti existe e é clarinho, bem com aquele não marcado sobre o Ivanildo..

O Porto é uma equipa apática...não há nada a fazer...

Quanto ao titulo é perfeito...para quem dizia que a Académica e o Sérgio Conceição iam abrir as pernas...

Luís Fiúza disse...

Nem a gamar?!
Podridão, o futebol Português.
Tudo normal, menos o falhanço.
Tanto texto a falar de futebol, quando tudo isto não tem nada disso.
Ladrões. Chulos.

O Anti Lampião disse...

Se não fosse o sistema
http://oantilampiao.blogspot.pt/2013/12/e-assim-se-construiu-o-2-golo.html

Pedro disse...

http://vozesencarnadas.blogspot.pt/2013/12/um-desenho-para-os-lagartos.html

LOL

sar disse...

http://www.youtube.com/watch?v=03btxOdX_ug

LOL^2