quarta-feira, junho 5

A Liga dos Cavalheiros Egocêntricos

Finda a época surge a silly season no seu esplendor. E digo no seu esplendor porque a tal silly season existe toda a época. É ver o desfile anual - esse não finda - dos egos futebolísticos reclamarem para si - muito discretamente e com enorme cuidado com a palavra 'eu' - as vitórias e as 'suas' maneiras de ganhar. Seja no FC Porto, Benfica ou Sporting, os seus dirigentes não sabem o mal que fazem ao desporto que lhes dá a oportunidade - e a visibilidade - de fazerem algo de real valor pela consciência geral.

Chego a julgar que é vício. É algo a que toda a gente se habituou e que já pouca gente questiona. Parece normal que para se estar no futebol tenha que se ter comportamento de gangster e de ser contra algo em vez de se ser a favor de algo melhor. Exemplos não faltam, pelo que estas linhas não carecerão de explicação ao fenómeno. Atente-se nas declarações dos presidentes dos três grandes e repare-se no íman que eles - inconscientemente, talvez - criam para puxar para a sua pessoa as vitórias (e para se esconderem nas derrotas). E parece mentira, até porque todos eles são os primeiros a elogiar quem os acompanha, como as suas equipas técnicas, os seus jogadores, etc. Conversa da treta para quem não sabe fazer do futebol um bem-geral, prejudicando a imagem do mesmo a torto e a direito, só para aparecer ou para perpetuar o seu nome e o do seu clube.

O caso mais recente - por ser o mais novo nestas lides - é o de Bruno de Carvalho. Efusivo, o jovem dirigente tem o sonho de levantar o clube de Alvalade e de o elevar a patamares bem elevados. Nada de mal aqui, não fosse o facto de não trazer nada de novo para conquistar esse feito. 'Tenham medo', bradou a todos os adversários depois da conquista da Taça de andebol. Ora, alguém no seu perfeito estado elogiaria, ou recomendaria, algum desporto se a finalidade do mesmo fosse (me)ter medo? O medo, não só é a maior doença da humanidade como a causa para as pessoas - num rol de ilusões - não mostrarem as suas maiores potencialidades. Um dirigente que o promove deveria cair em desgraça assim que proferiu as palavras. Mas claro, tal é a força do hábito que ninguém em lado algum as questionou.

Assim se o Sporting conseguir ser mais forte - como se deve esperar - os adeptos de outros clubes, assim como os seus jogadores e dirigentes, terão que passar a ter medo e não a congratular um adversário que os fará transcender-se. E aqui recordo as palavras de Vítor Pereira depois da conquista do 'Tri', nas quais lembrou que a acesa disputa com Jorge Jesus fez dele um melhor treinador. Um breve assomo de consciência que não tenho a certeza se existiria se o técnico de Espinho perdesse a Liga. Coisas. Retomando, Bruno de Carvalho não espera que o futebol em si, assim como o futebol nacional, fiquem melhores com um Sporting mais forte. E se não espera isso para quê entrar no futebol? Para criar uma força dominadora que tenha também em mente que as outras não criem? Isso já me parece que exista, caro Bruno.

Falando nos dragões, é mais que conhecida a fina-ironia do seu presidente. Semanas depois da reconquista da Liga ainda ecoam nas suas palavras as flechas em direcção ao Estádio da Luz. 'Kelvin isto', 'descontos aquilo', e nenhum apreço pelo clube rival ter enobrecido a sua única real conquista da época. PC omite aquilo que no futebol deveria ter uma hegemonia ideológica: que não se joga sozinho e que os adversários 'servem' para nós nos transcendermos. Criou-se como presidente assente na ideia de que só com inimigos o FC Porto seria mais e mais forte, e dela não mais abdicou. Como se a capacidade motivacional assentasse fora-de-portas, no que os outros dizem, no que os outros falam, quando na realidade todas as suas conquistas seriam até em maior número se fechasse as portas aos adversários no seu Manual de Como Ganhar. Isto porque, como é fácil de ver, a motivação é sempre interior e nunca exterior. Se não se encontrar reflexo positivo interiormente tudo o que vem de fora baterá num enorme vazio, até porque as vitórias são assomos de 'luz' e não de raiva. Que a raiva seja melhor do que a letargia e do que o medo para chegar à 'luz', isso não discordo, mas não é ela que a cria. Assim, e bem vistas as coisas, apesar de todas as conquistas não está melhor aí, o Futebol Clube do Porto, que os seus adversários.

Lembre-se também aqui quem dizia que José Mourinho só ganhava porque criava guerras atrás de guerras para se motivar a si e às suas equipas. E depois veio Guardiola...

E ao final - quase nos descontos - teria que sobrar para o Benfica e para o seu impoluto presidente. 'Nesta casa não se festejam as derrotas dos outros', afirmou LFV no que mais pareceu um gracejo. É realmente triste termos que promover a nossa impunidade quase, quase... como se ela não fosse real. Toda a gente sabe da animosidade para com o FC Porto e toda a gente sabe que, essa, nasce das vitórias do clube portista. Esqueça-se o clube Benfica (que me lembre os três referidos no post foram criados sob valores nobres e ideias correctas e estão livres de qualquer ataque deste reles blogger) mas lembre-se o não-reconhecimento, a retaliação e o clima que passa das bocas dos dirigentes - todos eles com o dever de lutar pela elevação do futebol - para os adeptos que deviam ver, nos clubes que apoiam, um verdadeiro exemplo de como estar na vida. Não serão estas declarações um 'olhem para mim' quando convém e um 'não olhem para mim' quando não convém? Que é isso, então, se não mais que o ego de cada um a falar? Tanto medo de perder e tanta vontade de ganhar algo que não são mais que 'latas'. A verdadeira vitória seria uma Liga com uma intensidade competitiva que nos permitisse (a todos) sonhar com uma hegemonia europeia. Mas enquanto não se vir todos os clubes e o seu futebol como um 'todo' esqueça-se isso e desfrute-se do atraso.

20 comentários:

luis disse...

Temos de entender (pelo menos fazer um esforço) como e porquê foram feitas essas declarações de Bruno de Carvalho.

Foi provocado e ofendido por um dirigente do FCP durante o jogo, é natural que tenha perdido, no fim, e com a vitória, alguma seriedade.

Adelino Caldeira, numa versão 2.0 agora (espero que não seja por doença), é o culpado dessa situação.

De resto, BdC parece estar sozinho e cedo vai cansar-se e cedo as pessoas vão cansar-se, caso as vitórias não apareçam.

No fim do jogo do hóquei, o jornalista perguntou a um jogador do Benfica pelo "inimigo". O jogador respondeu que não havia "inimigo" mas sim "adversário".

Segundos depois, o mesmo jornalista, com um jogador diferente, volta a perguntar pelo "inimigo".

Aliás, os comentários aos jogos foram de um baixo níel inacreditável. Não era o Porto Canal, era a RTP2.

Resumindo, e concordando até com o teu post, falta nele a referência à classe jornalística desportiva que vive dias de franca miséria.

E talvez fizesse sentido mencionar também os jogadores que vivem deste clima e que ajudam a que ele se mantenha. As declarações de Moutinho e de Josué são um claro exempo disso.

Jorge Borges disse...

Só acrescentaria que, quiçá pior que tudo isto, são as hordas de adeptos que esfuziam alegrias quando os ditos presidentes debitam bacoradas atrás de bacoradas.
É utópico, bem sei, mas enquanto os adeptos não mudarem mentalidades e continuarem eleger gente de baixo calibre, a coisa não muda.

Marco Morais disse...

E já assim foi longo. Haha!!! Sim, não são os dirigentes os únicos culpados. Mas parece-me que deveria começar por aí a mensagem.

Os jornalistas, meio a que pertenço (ou tento pertencer), tem os mesmos vícios. Já Bruno de Carvalho não pode ser desculpado por ter sido provocado. A palavra medo não deve existir no desporto (nem em lado nenhum, já agora).

luis disse...

Mas parece-me que o "medo" de BdC tem a ver exclusivamente com o querer ganhar do Sporting. Ou seja, tenham "medo" porque nós queremos ganhar muito mais do que vocês. Normal, não?

Já o "medo" que o Adelino tentou instigar, é de outro calibre, bem conhecido, mais virado para a intimidação, chantagem, violência.

Marco Morais disse...

Não conheço a história, Luís, daí parecer que a omito. Porque raio haveria de alguém ter medo que o Sporting comece a ganhar. O sol nasce e continua a por-se na mesma, é o que tento dizer.

Não concordo com ele e, como contas, não concordo com outros tipo de 'medo' com os quais o FCP pactua.

Jorge, obviamente. No entanto entendi castigar os presidentes porque se eles estão lá... podem fazer mais que eu certamente.

LMGM disse...

A história, se interessar.

http://www.abola.pt/nnh/ver.aspx?id=406435

LMGM disse...

E, "prontos"...

http://www.sporting.pt/Noticias/Clube/notclube_clubecomunicadoporto_050613_112275.asp

Divã Leonino disse...

Mais uma vez parabéns ao Marco pela sua escrita virtuosa.

A ideia com que ficamos depois disto tudo é que de facto todos são iguais, uns mais finos outros menos finos, mas todos "fruta" da mesma árvore...

De facto o futebol e o desporto em geral deveriam pautar-se por comportamentos diferentes. Acho que todos concordamos.

Porque continuamos então assim? Aliás, as coisas parecem piorar e não melhorar, como este recente caso scp-fcp demonstra. Porquê, se todos vemos que isto não é bom para o próprio desporto?

A explicação reside naquilo que Marco, com a sua virtuosidade, deliberadamente ou não, omitiu.

É que existe um pioneiro Marco, um pioneiro que continua activo e que em vez de ter sido criticado pelos seus pares sempre que instigou ódios e divisões, foi sendo elevado à condição de divindade, ano após ano, pois, simplesmente, ganha títulos!!!

Infelizmente todos sabemos que o que o comum adepto contemporâneo gosta não é de um bom jogo de futebol, disputado com elevação e respeito, mas simplesmente da vitória.

Infelizmente as memórias desvanecem-se com o tempo, se não são até revistas pelos actores deste espectáculo, conforme as suas conveniências, mas para mim é claro como a água que o ambiente desportivo era muito menos agressivo antes da entrada em cena de Pedroto e Pinto da Costa.

E sejamos claros, foram eles que introduziram, como factor estratégico de sucesso do fcp, os determinantes que hoje geram as rivalidades exageradas e irracionais que conhecemos.

Uma estratégia bem sucedida ao nível dos resultados, como é óbvio de reconhecer, mas que, como muitos produtos, gerou as suas externalidades, neste caso bem negativas.

É que perante os sucessivos insucessos, seria apenas uma questão de tempo até as massas adeptas de slb e scp acharem que esta batalha apenas seria ganha com as mesmas armas, ou seja, com o mesmo nível de discurso, impregnado de agressividade.

É assim que surge Vieira e agora Bruno de Carvalho. Não tenham dúvidas disso.

E duvido que isto possa acalmar nos próximos tempos, pois infelizmente esta cultura é também a cultura do adepto moderno e das próprias organizações. O que a malta gosta é de gajos agressivos, que lutem "contra tudo e contra todos" (quantas vezes ouvi isto nos últimos tempos???), que disparem para onde tenham de disparar e que no fim... ganhem! Só isso.

Mudar isto, implica todos nós mudarmos. Seremos capazes?

Para tal, antes de tudo o mais, teríamos de saber respeitar e valorizar quem perde. Seremos mesmo capazes???

Jorge Borges disse...

É isso tudo divã. Parabéns pelo teu comentário.

JL Martins disse...

Concordo em absoluto com o Divã Leonino.

Realço isto:

"...teríamos de saber respeitar e valorizar quem perde"

Na sociedade portuguesa isso NUNCA acontece. O mais curioso é que na sociedade americana BEM MAIS competitiva que a nossa dá-se um enorme valor a quem perde, precisamente porque quem perde É QUEM dá valor à vitória do adversário.

Quanto ao resto, o jogo de palavras... eh pá... irrelevante neste caso. Como diz o Luís, o medo que fala BdC nada tem a ver com o medo que instigam os "outros". Não me agrada nem me incomoda. Mas preferia que seguíssemos o nosso caminho, com honra, dignidade e orgulho no clube. CENTRADOS no clube, mesmo que isso implicasse mais 10 ou 20 anos sem ganhar títulos.

Mas isso sou eu, porque a maioria prefere ganhar, somente isso.

Marco Morais disse...

LMGM, li a história e obviamente condeno pela tentativa de resposta. Ainda assim, mantenho que Bruno de Carvalho nada traz de novo neste aspecto. É mais um que vem lutar com as armas já existentes pelo que, logo, vamos continuar na mesma.

Divã Leonino, parabéns pelo excelente comentário. É um orgulho tê-lo lido, aqui, no sector.

A mudança passa por todos. Até por nós como bem frisas. Se eu exigi dos presidentes maior responsabilidade isso não altera o facto de que nós também temos de mudar e passar a criticar certos comportamentos com mais veemência.

Foi ideia minha, sim, colocar tudo no mesmo prato. Como sabes sou um adepto portista que tenta escrever para as massas e também eu estou a aprender a lidar com os subterfúgios do ego. Contudo não me parece que tenha omitido que os actos de PC são mais graves do que os actos de outros presidentes. Por aqui sempre tentei criticar independentemente da cor, actos com os quais não concordo.

Que os comportamentos de Bruno de Carvalho e de Luís Filipe Vieira surgem por causa da hegemonia de Pinto da Costa não discordo, nem posso discordar. Mas desculpando-os e apontando só o dedo a PC, nada de novo trará.

Até porque PC utilizou essa estratégia para tirar o poder do futebol a Lisboa. Se não havia medo antes de PC é porque ninguém rebatia o estado de coisas. Não me interessa de modo algum fazer-se o que se tem feito, que é tão somente entretermo-nos a por as culpas nos outros.

Falei no post que a garra e a raiva estão mais perto da 'luz' do que a letargia. E foi isso que PC e Pedroto aproveitaram quando tomaram conta dos destinos do FCP. Mas se há uma escala de emoções, outros sentimentos mais virtuosos poderão suplantar essa raiva e garra utilizada pelo dragão sem prejudicar resultados desportivos até.

O que não suplantará o actual estado de coisas é utilizar métodos assentes em ideias semelhantes ou desculparmos-nos com o 'ele fez primeiro'. É a minha visão das coisas pois não acho que seja produtivo ser contra nada, mas sim a favor de algo melhor. Só assim se evolui, só assim se transcende.

Utilizando a guerrilha o FCP joga em casa pois usa o método há 30 anos. Se querem continuar a ir por aí, se querem rebater em vez de entender porque são assim as coisas, que se continue neste 'futebolzinho'.

Tenho para mim que o clube que primeiro mudar interiormente será aquele que terá mais sucesso nos anos vindouros. Como adepto portista tenho pena de o FCP ser renitente a mudar, porque a metodologia utilizada lhe tem dado títulos. Mas isto... porque os outros não mudam. A chave está aí, parece-me, daí um post que, nesse sentido, mete tudo no mesmo saco.

jamsilva disse...

Prevejo algumas reações de pessoal que nao se quer meter no mesmo saco.

que vêm um sistema polarizado em que de uma lado está o mal absoluto e o do outro o bem transparente.

em vez de uma sistema que está podre dentro de si mesmo.
o meu ponto de vista a solução está entre ser inocente e desfrutar do que se pode ou combater o sistema como um todo e nao parte dele como tem vindo a ser feito.

O futebol nao começou com o PdC. E o contexto social da época é totalmente diferente do atual. A maioria de nós não se lembra pura e simplesmente pq não existia e os que existiam preferem não lembrar.
Mas foi esse contexto que levou ao aparecimento do PdC, e até agora nao apareceu ninguém que fosse capaz de mostrar outro caminho viável.
Espero sinceramente que apareça.

Divã Leonino disse...

Marco, quando falei em pioneiros desta guerrilha não quis com isto dizer que isso legitima o mesmo tipo de acção dos novos contendores.

No entanto, fruto desse pioneirismo, os portistas têm uma obrigação acrescida na reposição de alguns valores perdidos, reforçada pelo facto de serem aqueles que ganham mais!

E desculpa que te diga, mas o que vejo é precisamente o contrário! E sem qualquer bajulação, tu és de facto um oásis no meio desse deserto! Qual o portista que ousa criticar PdC quando ele entra nesta "guerrilha"?

E é na sequência disso que Vieira também tem ganho cada vez mais força no seio benfiquista.

E agora, BdC, no Sporting.

Aliás, o Sporting, o meu clube, tentou durante anos a fio fazer aquilo que tu achas que devia ser feito, e qual o resultado? "Bananas", "já não conta para o totobola", "eternos segundos", etc... Ou não foi assim?

Marco, por muito lógico que seja o nosso raciocínio, estas coisas mexem com o orgulho das pessoas e quando estratégias supostamente mais nobres batem constantemente no muro, tens de perceber que muitos se começam a interrogar sobre as virtudes das mesmas.

Por isso mesmo é que a mudança de paradigma deve partir daqueles que estão na melhor posição para o fazer. Dos que mais ganham, dos que sempre alimentaram este modo de fazer as coisas. Se os outros também o devem fazer? Claro! Mas ignorar que isto deve partir dos mais fortes, é o mesmo que achar que a austeridade apenas deve ser aplicada aos que menos ganham.

Sei que isto é muito difícil, e sabes porquê? Tem tudo a ver com o teu post. Medo. É que por muito que eu e tu gostássemos que as coisas fossem diferentes, a generalidade dos adeptos têm medo de perder... e não é pouco.

SL

Marco Morais disse...

Divã Leonino, é normal a 'discórdia' é para isso que cá estamos.

Em termos gerais parece-me que a maioria das pessoas acha que se PC saísse e se o FCP acabasse o futebol passava português passava a ser um sonho.

Expliquei atrás que PC não evoluí no método porque ganha. E expliquei também que ele só continua a ganhar porque os adversários continuam a tentar 'desfazer' o Porto. Mais à frente na conversa disse que ser contra algo não ajuda a transcender logo, nesse jogo, não é possível vencer o FC Porto. Aí, como tem acontecido, os dragões vão sempre ganhar mais.

Dizes que o Sporting tem feito aquilo que eu defendo e eu não posso discordar mais. O Sporting não tem olhado para dentro para encontrar um método para vencer o FC Porto. O Sporting limita-se a tentar combater o que está estabelecido, repudiando-o e atribuindo-lhe a culpa por não ganhar. Não transcende, não faz, apenas critica. E críticas, por mais legítimas que sejam, sozinhas não fazem nada.

Com isto vai-se chegar ao ponto em que se vai dizer que jogando o FCP assim é impossível batê-los. E eu lembro, como já lembrei no post, que há 'sentimentos' acima da garra e da raiva. Só que a letargia não é um deles.

E por mais que se esperneie, letargia é sempre não fazer nada. Por mais que se acuse, que se critique, o FC Porto vai mantendo os adversários na letargia - mas por culpa deles, ocupados que estão em atribui culpa.

Pensas que a próxima hegemonia no futebol português vai ser melhor? Com o que se apresenta não me parece e foi isso que tentei trazer aqui à discussão.

Divã Leonino disse...

Marco, desculpa, mas começo a achar que o oásis não passará de uma miragem...

"Em termos gerais parece-me que a maioria das pessoas acha que se PC saísse e se o FCP acabasse o futebol passava português passava a ser um sonho."

mas porque tiras essa conclusão? Onde sugeri isso? Não se pode criticar PdC? É inimputável? Ele próprio não pode mudar? Esta vitimização... enfim...

"Expliquei atrás que PC não evoluí no método porque ganha. E expliquei também que ele só continua a ganhar porque os adversários continuam a tentar 'desfazer' o Porto. Mais à frente na conversa disse que ser contra algo não ajuda a transcender logo, nesse jogo, não é possível vencer o FC Porto. Aí, como tem acontecido, os dragões vão sempre ganhar mais."

Mas então, e afinal de contas, o que conta é mesmo ganhar, não é? Segundo as tuas palavras os adversários é que têm de mudar. Aliás, têm que se "transcender"!!! Então e os vencedores? Esses podem "desfazer" quem lhes apetece? É esse o moralismo? Bahhh....

"Dizes que o Sporting tem feito aquilo que eu defendo e eu não posso discordar mais. O Sporting não tem olhado para dentro para encontrar um método para vencer o FC Porto. O Sporting limita-se a tentar combater o que está estabelecido, repudiando-o e atribuindo-lhe a culpa por não ganhar. Não transcende, não faz, apenas critica. E críticas, por mais legítimas que sejam, sozinhas não fazem nada."

Meter no mesmo saco valores e competência dá nisto... Mas passando por cima da mais que óbvia incompetência do Sporting, então o que interessa é encontrar um método, seja ele qual for, para vencer? Se por acaso se implementar um método de terror, mas que vença, isso torna o vencedor mais nobre que os vencidos? Porra...

"Com isto vai-se chegar ao ponto em que se vai dizer que jogando o FCP assim é impossível batê-los. E eu lembro, como já lembrei no post, que há 'sentimentos' acima da garra e da raiva. Só que a letargia não é um deles."

Portanto, toda a estratégia que se implemente mas que acabe por não vencer este fcp não passa de letargia, na melhor das hipóteses. É isso? E já agora, quais são esses "sentimentos" acima da garra e da raiva? Ou é segredo do negócio?

"E por mais que se esperneie, letargia é sempre não fazer nada. Por mais que se acuse, que se critique, o FC Porto vai mantendo os adversários na letargia - mas por culpa deles, ocupados que estão em atribui culpa."

Claro... a culpa é dos outros... Pareceu-me que o teu post versava algo como os dirigentes dos 3 clubes, sem excepção, terem "comportamento de gangster e de ser contra algo em vez de se ser a favor de algo melhor.", mas talvez me tenha enganado. Lá está, os vencidos que dêem o exemplo, não é?

"Pensas que a próxima hegemonia no futebol português vai ser melhor? Com o que se apresenta não me parece e foi isso que tentei trazer aqui à discussão."

Absolutamente de acordo. Só peço desculpa por não contribuir para a beatificação, ok?

SL

Marco Morais disse...

Divã,

"mas porque tiras essa conclusão? Onde sugeri isso? Não se pode criticar PdC? É inimputável? Ele próprio não pode mudar? Esta vitimização... enfim..."

Não disse que disseste, disse que a maioria acha. E isso de não criticar PdC não deve ser para mim. Eu compreendo porque ele tem o método que tem, mas nunca concordei.

"Mas então, e afinal de contas, o que conta é mesmo ganhar, não é? Segundo as tuas palavras os adversários é que têm de mudar. Aliás, têm que se "transcender"!!! Então e os vencedores? Esses podem "desfazer" quem lhes apetece? É esse o moralismo? Bahhh...."

Mais uma vez intepretaste de forma errada. Se te focares somente em ganhar provavelmente não vais consegui-lo. Estar mais perto da forma correcta de o fazer é que tem de ter a tua atenção. As vitórias acontecem por arrasto. E sim, se o FC Porto ganha mais é porque é mais forte que os adversários e esses terão que se transcender para o vencer.

"Meter no mesmo saco valores e competência dá nisto... Mas passando por cima da mais que óbvia incompetência do Sporting, então o que interessa é encontrar um método, seja ele qual for, para vencer? Se por acaso se implementar um método de terror, mas que vença, isso torna o vencedor mais nobre que os vencidos? Porra..."

Como é que tens valores se és incompetente? Desculpa mas não concordo minimamente com essa dos valores incompetentes. Talvez devesses repensar que as sucessivas direcções incompetentes talvez andaram longe do esforço, devoção e dedicação e por consequência longe da glória também.

"Portanto, toda a estratégia que se implemente mas que acabe por não vencer este fcp não passa de letargia, na melhor das hipóteses. É isso? E já agora, quais são esses "sentimentos" acima da garra e da raiva? Ou é segredo do negócio?"

Ainda bem que perguntas. Assim, no fundo da escala emocional temos o temor, o medo, a impotência. Mais acima - porque não te mantêm parado em letargia - tens a raiva, a ira, o ódio. Só para teres uma ideia o topo é composto por: Alegria, conhecimento, APRECIAÇÃO, entusiasmo.

"Claro... a culpa é dos outros... Pareceu-me que o teu post versava algo como os dirigentes dos 3 clubes, sem excepção, terem "comportamento de gangster e de ser contra algo em vez de se ser a favor de algo melhor.", mas talvez me tenha enganado. Lá está, os vencidos que dêem o exemplo, não é?"

Penso que te confundi. Eu não falo de culpas, falei sim do estado do futebol português e o porquê de ele não evoluir. Porque não os vencidos arranjarem uma forma de bater os vencedores? Confesso que vejo isto como o mais normal do Mundo. Não vejo como culpa, nem a tiro a PdC até porque para mim há formas melhores e mais seguras de ganhar. Onde está a tua confusão?

"Absolutamente de acordo. Só peço desculpa por não contribuir para a beatificação, ok?"

Longe de mim pedir-te que contribuas para a estagnação. É um prazer conversar contigo e nada do que tento explicar - assim como tu - tem a ver com joguinhos pessoais de 'eu é que sei' ou 'eu sei mais'.

Divã Leonino disse...

Ó Marco, porra... até me custa continuar esta conversa, e muito mais ainda ter que ir buscar argumentos populares para isto, mas essa dos valores e da competência andarem de mãos dadas, enfim... tem mesmo muito que se lhe diga... Aliás, PdC é competente ou incompetente? Isso iliba-o de alguns aspectos imorais da sua conduta, conhecidos por todos? Não brinques comigo... Podia falar também de uma série de ditadores. Será que eram incompetentes? Ou os seus valores seriam os mais nobres?

Desculpa que te diga, mas o que me parece depois de toda esta discussão é que tudo isto afinal não passou de uma tentativa de lavagem de carácter ancorada naquilo que todos sabemos que PdC faz bem, que é ganhar.

Essa não é a minha maneira de ver o desporto, e pareceu-me, pelo conteúdo inicial do teu post, que também não seria a tua.

E se queres um exemplo concreto falo-te de Paulo Pereira Cristóvão. Tenho vergonha de ele ter pertencido aos órgãos sociais do meu clube. Não me revejo minimamente naqueles métodos e felizmente sinto-me contente por ele estar fora. Se vejo muitas diferenças entre ele e PdC? Claro, o último é muito mais competente!

E pegando na letargia que referes, chego à simples conclusão que o futebol, apesar de se ser um jogo fantástico, tem mesmo que começar a assumir um papel menos importante na minha vida. Resigno-me à minha incompetência, ou seja, à minha ausência de valores...

Marco Morais disse...

Tenho pena que algo do que leste te tenha confundido. Há muitas maneiras de ver as coisas e Pinto da Costa pode parecer mais competente porque ganha. Já o disse, mais que uma vez, fazem-no mais esperto do que ele realmente é.

Não percebo sinceramente onde foste buscar que os comentários têm um conteúdo diferente do post. Continuo sem perceber e não me parece que vá ser ilucidado.

Se o futebol tem, agora, de ser menos importante na tua vida é porque lhe deste importância a mais. Não te chamaria incompetente nem ligaria isso com falta de valores. No post tentei fazer uma comparação com Mourinho e Guardiola. O primeiro era o supra-sumo até aparecer o outro que o bateu em tudo. E como o fez?

Transcendeu! E foi assim tão mau?

Divã Leonino disse...

PdC é como Mourinho! E os outros precisam é de presidentes como o Guardiola... Bonito!

Obrigado pelo paternalismo, Marco.

Regressemos então ao belo universo da silly season.

Abraço!

Marco Morais disse...

lolol =) Assim não consigo. Sejamos mais sensatos. O de Mourinho e Guardiola foi um exemplo para perceberes como se pode ganhar sem ser gangster. A colagem é totalmente tua e a devida distância do exemplo não foi aproveitada como nos (nossos) últimos comentários.

Regressemos então =)

Outro para ti :D