segunda-feira, junho 7

Um paradigma de Vi(ll)as Boas?

Desfeito o tabu treinador analisa-se, agora, o porquê da escolha. A ilusão que provoca e o método que, porventura, terá são as mais fortes razões. Outra poderá ser, como O JOGO hoje avança, a cultura do treinador "à Porto". Será isto verdade? haverá tal coisa? onde se encaixarão alguns ex-treinadores neste paradigma?

Até poderá parecer contra-senso, ou até estupidez, começar este post pela última escolha de um técnico para o... Benfica, mas, e perdoem-me, terá de assim ser. Jorge Jesus, foi essa escolha e estava bem disponível quando o clube da Luz escolheu contratar Quique Flores. Por sua vez, avançam agora os media, que o FC Porto namorou Jesus nessa altura, tendo pensado no actual treinador do Benfica para suceder a Jesualdo. Nenhum dos dois consumou a contratação, tendo o Benfica escolhido um técnico pela palavra e imagem e tendo o Porto assumido a aposta na continuidade. Deu-se melhor o Porto, que acabou por se sagrar tetra campeão.

Um ano depois, o Benfica contrata Jorge Jesus e meses depois sagra-se campeão nacional. Toda (ou quase toda) a gente dá o mérito a Luís Filipe Vieira, a Rui Costa e até aos jogadores, que em grande maioria já se encontravam na Luz na época passada assim como... LFV e Rui Costa. É óbvio que para mim é Jorge Jesus o grande obreiro desta vitória, mas a minha passagem por este assunto prende-se com a escolha e o porquê das escolhas dos técnicos em Portugal.

Já antes disso, se bem lembrados estão, houve outro técnico, agora por terras madrilenas, que brilhou em Portugal. Mais uma vez o critério torneou uma aposta de risco com o equilíbrio da ilusão que o técnico, com a sua imagem e discurso, criava.

Hoje, o jornal O JOGO, avança que o FC Porto tem, há já dez anos, um plano para formar técnicos, do qual André Villas Boas e outros dois seus adjuntos fizeram parte. O plano funcionava pela premissa de que "sem treinadores à Porto não haveria jogadores à Porto e que a ideia de jogo e seu modelo estariam bem definidos.

A seriedade destes planos do FCP até já está bem comprometida pelo seu plano para a formação e com esta do "treinador à Porto" mais me querem atirar areia para os olhos. Se na formação, o jogador da casa, que até joga toda a vida dentro do modelo idealizado pelo clube, é depois suplantado por sul-americanos de qualidade duvidosa não me admiraria que Murici (lembram-se) suplantasse, também, Villas Boas na corrida ao lugar de Jesualdo. Felizmente, assim não foi mas se este plano tenta indiciar a criação de um paradigma para os lados do Dragão então ele deve ter começado com o jovem de "ascendência inglesa e de nariz grande" porque com Jesualdo, ou Co Adriaanse ele não começou de certeza.

Se trouxe este assunto à baila é porque métodos e planos me interessam e é, certamente, a falta deles que tanta falta faz ao futebol português. Mas, infelizmente, e por mais notícias destas que conheçam a luz do dia, planos só mesmo o de escolher (quase) ao calhas, e por tentativas, e o de encostar centrais à direita, e esquerda, ou tirar avançados para fazer entrar trincos.

5 comentários:

LMGM disse...

"...aos jogadores, que em grande maioria já se encontravam na Luz na época passada..."

Coentrão (estava emprestado), Javi, Ramirez e Saviola, não me parecem poucos reforços para a equipa titular quer em valor financeiro (assim rapidamente são pelo menos 20 milhões de euros), quer desportivo (eu duvidei muito da mais valia de Javi e Saviola).

BMRP disse...

Boas!

Não sei se entendi muito bem o post

A tua dúvida é se "finalmente" o Villas Boas é um tal producto dos treinadores "à Porto", ou se é a continuação do atirar areia para os olhos das pessoas ?

Deu-me a ideia de que partilhamos da mesma "frustração" por as escolhas pelos treinadores por este Portugal fora se darem ao acaso, e ao sabor do vento, quando devia haver uma procura clara de um perfil, de um modelo preferido, de algum plano prévio.

É provavelmente por não existir nada disso que na maioria dos clubes vira o disco e toca o mesmo e anos após anos, os mesmos treinadores continuam na 1ª e 2ª liga sem mostrar nada de novo.

( mas isso são conversas para outros posts )

Estarei atento!

Abraço

J. disse...

Sinceramente acho que o PC espera um novo efeito Mourinho com este Villas Boas.
Caso a aposta saia frustada, tem sempre treinadores como Domingos ou Jorge Costas preparados para assumir o comando do FCP.
Plano A, Plano B e Plano C.

Já no Sporting se Paulo Sérgio for outro Carvalhal, não sei eu, quais opções poderiamos ir buscar.
Um veterano Manuel Fernandes ou "um ainda a começar" Litos.

pedro m disse...

Acho piada á interpretação que o jornal onde o Tavares Teles faz noticias por encomenda, dá a "estes métodos e planos", conseguem dar um ar cientifico á "coisa"(refiro-me mais concretamente a Domingos e Jorge Costa).
Eu prá "coisa" dou outra interpretação mas como já deves desconfiar qual é não te vou maçar, até porque a minha interpretação é mais empirica e de ciencia tem pouco.

Já agora parece que o teu presidente já neste final de época tentou levar o Jesus para o teu clube...Correu-lhe mal, queria mais uma cebola e acabou como o nabo.

LMGM disse...

Marco, desculpa o off-post.

Imagino aqui escrito um post do Glorioso sobre a retirada de cena do Valentim Loureiro.

O meu comentário seria, subscrevo.