segunda-feira, abril 25

à beira de uma guerra civil

O futebol português poderá estar na iminência de uma guerra civil.
Esta foi mais uma das muitas acções de guerrilha que certamente reforçarão o sentimento de impunidade que reina no mundo do futebol.

Começou com bocas, depois empurrões, a seguir pancadaria, agora é com pedras e bolas de golf, e a continuar assim não vai demorar muito tempo a ser com balas, e por ai adiante...

Continuem a fazer vista grossa...

16 comentários:

Casalta disse...

Quando ambos os presidentes, responsáveis e meios de comunicação dos clubes espalham um clima de rivalidade feroz entre os dois clubes que estão à espera que aconteça? Já houve uma morte de um adepto numa final da taça durante um derby entre Benfica e Sporting e alguém fez alguma coisa para mudar o futebol português? Se nada foi feito ai, não vai ser agora que vai mudar...

Pedro Almeida disse...

Essa morte de um adepto, Rui Mendes, creio, foi um caso isolado, de um ou mais imbecis, que se calhar nem consciência tinham que o que estavam a fazer podia matar alguém, como veio a acontecer. Não creio que tenha paralelo com o que se passa hoje em dia.
Basta ver que nessa altura as relações entre Sporting e Benfica eram normais, como são hoje em dia, não tem nada a ver com esta guerra sem quartel entre Benfica e Porto.
Nunca se tinha visto antes esta moda de apedrejar carros e autocarros nas auto-estradas, nem estas autênticas batalhas urbanas entre adeptos e polícia como se viu nestes dois últimos clássicos na Luz.

Anónimo disse...

não sei porque fazem isso ao fcp, eles nunca fizeram nada que o justificasse...

Leão Justiceiro disse...

Pedro Almeida:

O seu comentário é revoltante por vários motivos:

1º) porque desvaloriza a perca de uma vida perante o apedrejamento de carros e autocarros. Como se uma "batalha campal" como o que chama pode equivaler ao facto de, naquele dia, uma família ter sido destroçada e uma filha ter ficado sem pai;

2º) porque se esquece que, naquele tempo, a morte de Rui Mendes foi festejada pelos adeptos benfiquistas com tanta exaltação como a conquista da taça naquela tarde. Nunca foi repudiada pelo clube e a claque em questão nunca foi investigada por isso. E até a fuga do assassino da cadeia foi relacionada com uma "ajuda" do exterior ligada ao clube.

Para mim é óbvio, desde esse dia, qual é o clube do ódio.

Casalta disse...

Caro Pedro Almeida por muito pouca consciência que uma pessoa tenha eu penso ainda ser censo comum que mandar um veryight para uma bancada cheia de gente irá certamente ter resultados desastrosos. Houve intenção de ferir alguém. Talvez até mesmo de matar alguém.

E como me diz nessa altura nem sequer havia más relações entre os dois clubes. Também não havia más relações entre a Juventus e Liverpool no desastre de Heysel. Também não havia más relações entre o Nothingam Forest e o Liverpool no desastre de Hillsborough. Morreram pessoas. Houve penas e castigos para os adeptos e para os clubes. Cá o que há?...

Pedro Almeida disse...

"porque se esquece que, naquele tempo, a morte de Rui Mendes foi festejada pelos adeptos benfiquistas com tanta exaltação como a conquista da taça naquela tarde. Nunca foi repudiada pelo clube e a claque em questão nunca foi investigada por isso. E até a fuga do assassino da cadeia foi relacionada com uma "ajuda" do exterior ligada ao clube."

Mentira! Mentira! Mentira!
3 mentiras seguidas neste parágrafo.
Se quiseres odiar o Benfica, odeia à vontade, mas não o baseies em mentiras.
O criminoso nem sequer fugiu da prisão, aproveitou uma saída precária e já não voltou. Facto!
As outras duas mentiras são tão estúpidas que nem merecem resposta.

Se não querem perceber a diferença entre um caso isolado, que não teve antecedentes nem precedentes, com esta escalada de violência a que assistimos agora, não percebam!

Continuem a marrar no vermelho que só vos faz bem.

Leão Justiceiro disse...

Pedro Almeida:

Então uma fuga durante uma precária não conta como fuga à prisão? Coitado do rapaz, fugiu durante uma precária, com a ajuda que se sabe, andou durante anos a monte, mas isso não conta porque não fugiu da prisão.

E os festejos no estádio na altura? E as tarjas que durante meses foram exibidas na claque? E a ausência de comentário ou reação do clube?

Mentira é o mundo em que vive. Mas quem tem memória não esquece.

Mentiroso!

Tiago disse...

Festejos? Só se foram dos golos. Aliás, eu estava lá, estava mesmo junto as grades com a central, e só me apercebi do que se passou (eu e todos ali naquela zona) ao intervalo, quando um policia comentou.
Até lá, não se percebeu o que se passava, e confesso que se comentava que já estavam em debandada...

Mas já que sabes tanto, confirma lá quem o ajudou a escapar?

Pedro Almeida disse...

Ó Tiago, mas isso pergunta-se?
É claro que foi o Vieira e o Rui Costa!
O Eusébio não ajudou, mas deu apoio moral!

low desert puke disse...

De facto quem tem memòria nao esquece.

E eu lembro-me da morte em pleno estàdio de alvalade causada pela furia incontida de cuspir insultos a portistas que acabou na queda de pessoas de uma varanda do estàdio.

Também me lembro bem como foram incendiados os animos pela direcçao sportinguista antes de receberem o Atletico Madrid o ano passado. Depois foi o épico espectàculo que toda a Europa viu na tv nas horas antecedentes ao jogo.

Sporting, um clube sò de gente respeitadora e ordeira!

Casalta disse...

Sim, é verdade que as claques leoninas também não têm razões para se orgulharem ao nível de comportamentos ordeiros (alguma claque neste país tem?). Foi a pancada contra os Ultras do Atletico, foi a invasão do campo num derby aqui à uns anos, entre muitas outras. Podemos ficar aqui a discutir redundantemente quem tem menos razão, citando ataques a autocarros, invasões a jogos de juniores, assaltos a bombas de gasolinas, actos de vandalismo em escolinhas de futebol ou casas de adeptos entre muitos outros, tentando justificar a violência dos adeptos do nosso clube por "os outros terem feito primeiro". Tal apenas provoca um ciclo vicioso de ódio e violência inconcebível num pais como o nosso.

Eu continuo na minha: as coisas no futebol português não deviam mudar agora porque estamos num clima de quase guerra civil, deviam sim ter mudado há muito tempo atrás quando alguém foi a um jogo de futebol apenas para ver a bola rolar e acabou sem a vida. Infelizmente ninguém fez nada. Assobiar para o lado e culpar os outros. Porque infelizmente a maior parte dos adeptos adora todo o folclore futebolístico instalado. Adoram ver o Sicrano a picar os adversários em vez de enaltecer as suas vitorias, adora ouvir o Beltrano a culpabilizar os árbitros para justificar as derrotas. Acreditam piamente que o seu clube é o melhor do universo e se não ganha é porque não os deixam, não porque não foram bons o suficiente. E quem diga o contrário é um inimigo assumido. Enquanto a maior parte das mentalidades for assim e a maior parte dos clubes compactuar com este tipo de adeptos é este o futebol que teremos.

Anónimo disse...

Na altura TODAS as claques usavam very-lights... se houve um assassino que o dirigiu contra a outra bancada foi um caso isolado.
Nesse jogo devem ter sido lançados mais de uma dezena de very lights - todos para o ar.

O que se passa hoje entre o SLB/FCP é bem diferente e está numa espiral porque as direcções são incapazes de ter uma palavra e quem quer desculpar pode desculpar dizendo que o outro lado já fez o mesmo: casas apedrejadas, autocarros e carros apedrejados, bolas de golfe a atingir jogadores durante jogos, batalhas campais com a polícia, etc.

Acho que o próximo nível será quando alguém morrer, se ninguém puser mão nisto expulsando os desordeiros das claques como se fez em Inglaterra e garantindo que as direcções não dão apoio nenhum a essas claques. A lei das claques não serviu de nada - umas não se legalizaram, outras legalizaram mas os líderes dão-se ao luxo de escrever livros em que se vangloriam das suas actividades criminosas...

Jorge Borges disse...

vamos por pontos:
- O que se passou naquela fatídica final da taça TEM que se abominado por todas as pessoas que se dizem de bem. Não pode escamotear que aconteceu algo de extremamente grave naquele dia. Mas houve uma consequência. Pode ter sido tardia, mas houve. Houve alguém que foi julgado e condenado e cumpre uma pena de prisão. Deemorou, por certo que sim. É ajustada a pena? conhecem alguma pena ajustada em casos de homicídio?

- O que se passa hoje, não tem qualquer comparação com o que se passou naquela triste tarde. Hoje as coisas são feitas na cara da Polícia e nada acontece. As provas são apresentadas e transmitidas em directo na TV e parece que ninguém quer saber;

- Acusar outros para justificar a violência dos nossos parece-me pacóvio. Assim como acusar os outros de falta de legitimidade para falar porque os seus também o fazem, me parece ridículo.

- Já que as entidades oficiais (clubes, liga, Federação, Governo, Forças Policiais) nada ou pouco fazem para inverter o rumo das coisas, só restará aos adeptos que verdadeiramente gostam do futebol como fenómeno desportivo, tomar uma atitude para inverter o rumo das coisas. Qual: se a bilhética é uma importante fonte de receita para os clubes, porque não os pressionar por esta via? Eu já comecei a deixar de ir a estádios de futebol, decisão que será para manter enquanto este clima de violência se verificar, esteja o Benfica na mó de cima ou de baixo.
Devemos deixar os estádios de futebol para os arruaceiros. Pode ser que aí as entidades interessadas abram os olhos.

luis disse...

É sempre "engraçado" ver gente maior de idade que insiste em teorizar sobre a superioridade de uns sobre os outros.

Nas mortes de Alvalade, vi em directo, e sei que tudo aquilo teria sido evitável, pois todos os que empurraram detrás, sabiam que aquilo podia acontecer. Só que, no meio do devaneio para insultar e cuspir o adversário, provocou-se a tragédia. Não me interessa se foi de propósito ou não, mas tenho a certeza que foi uma inconsciência grave, com resultados nefastos para duas pessoas. E ninguém foi, sequer, chamado à razão.

A morte do very-light é um caso, felizmente, raro e sem paralelo. (aconteceu uma vez também em Madrid, penso). O culpado foi encontrado depois de uma investigação muito competente da nossa polícia (não foi fácil encontrar um gajo no meio daquela gente toda). Outras violências ficam sem culpados.

Os benfiquistas festejaram? Não sejas exagerado para justificares um ódio irracional. Estive presente e só soube da tragédia quando cheguei a casa. Eu, e milhares que lá estavam. Os benfiquistas, no geral, ficaram muito tristes com o que aconteceu. Se queres pegar em meia dúzia de atrasados que ficaram contentes com a morte de alguém, para poderes "odiar" o Clube SLB e os benfiquistas, podes fazê-lo, mas estás a ser irracional.

Há muitos presos que aproveitam as saídas precárias para fugir, e muitos andam à solta durante vários anos. Mas olha, este voltou a ser capturado.

Não chega, para apagar a morte do adepto. Nunca chega. Mas disso, não tem o SLB nem os benfiquistas culpa.

LMGM disse...

Jorge acho que não há volta a dar. Tem mesmo de morrer mais gente para existirem tomates para se tomarem medidas.

O pecado original está feito e por essa razão vamos sempre andar aqui a discutir sem chegar a conclusão nenhuma.

Se vires qualquer evento onde na sua organização existam mortos é pura e simplesmente cancelado, se isso tivesse sido feito por cá estou certo que mais gente se recordaria desse facto.

Aquilo a que estamos a assistir enquanto adeptos de futebol é à nudez das instituições perante um grupo de vândalos.

Tenho muitos e bons amigos ligados à casa do FCP em Coimbra, alguns com quem é impossivel discutir futebol porque vamos acabar "à pedrada", mas sei como aquela casa nasceu e sei que é mantida com um forte fervor clubista e carolice dos seus membros. Tenho muito respeito por isso e não merecem ver a sua obra destruida por patetas.

Levei o meu sogro a visitar o novo estádio do Sporting, onde ele não ia desde que saiu de Lisboa e acabei o dia a proteger-me da policia de choque... isto num jogo perfeitamente banal contra uma equipa do fundo da tabela.

Conclusão, queremos gente no estádio mas não fazemos nada para que isso aconteça, não protegemos nem o público, nem o evento.

low desert puke disse...

LMGM, quando tu tens dirigentes de uma das maiores forças nacionais desportivas (futebolisticamente falando e nao sò), aliados a outros clubes quase todos de uma sò zona do paìs, apanhados em flagrante a chegarem ao cumulo de "guiarem" eles mesmos àrbitros de futebol a casa, e sem acabarem banidos do desporto assim como as respectivas equipas em divisoes secundàrias. E ninguém actuou. Quiseram engolir a desculpa do aconselhamento matrimonial. E fizeram-nos engolir isso.E gozaram com a nossa cara tirando seis pontos aos suinos, apenas e sò!

Entao e sò agora é que uma dùzia de acéfalos que quebra uns vidros de uma montra mete à vista de todos a "nudez das instituições"?

Fez-se humor ironizando com o Benfica por pedir verdade desportiva. Por ir ao MAI com dvd's. Por pedir reforço da protecçao policial. Gozaram com isso tudo e nao se lembraram que està na natureza humana pagar violencia com violencia? E agora jà dizem que nao hà tomates para resolver isto? E se tivessem outras equipas e outros adeptos tido tomates para unir esforços perante "as instituiçoes" hà uns tempos atràs em vez de ter feito do Benfica, mais uma vez, alvo de chacota?