terça-feira, outubro 15

Olá, sou o João Moutinho, como posso assisti-lo?

Há certos adversários que são como a suposta 'abertura fácil' dos pacotes de leite. Em teoria são simples de abrir mas qualquer 'nervoso miudinho' suja a bancada da cozinha. Imaginemos agora como deve estar a cozinha da FPF, visto que, nesta qualificação para o Mundial'2014, muito leite foi derramado pela Selecção com adversários que em teoria seriam fáceis de 'abrir'.

E o caso do Luxemburgo - como Israel e Irlanda do Norte em terras lusas - até podia ser um desses (já nunca se sabe). Mas no Cidade de Coimbra a Selecção Nacional teve um João Moutinho com 'pulso firme' e com uma simplicidade tão afiada como uma boa faca. Da imaginação do jogador do Mónaco nasceram os três golos que fizeram o resultado do Portugal-Luxemburgo que fechou as contas do Grupo F da zona europeia.

Portugal apresentou-se sem Pepe e sem Ronaldo, e Paulo Bento apostou em Luís Neto e em Silvestre Varela para os substituir. Por opção o seleccionador prescindiu de Rúben Micael (por Josué) e fez regressar Hélder Postiga e Fábio Coentrão ao 'onze'. Mas a Selecção anda com uma confiança em si própria tão negra, como a camisola que usou nesta partida, que as alterações em nada mudaram um futebol que vem sendo, de há vários jogos a esta parte, bem frouxo.

Daí que a permanência de João Moutinho seja uma lufada de ar fresco, até porque como se sabe o médio nunca joga mal, estando por isso sempre uns furos acima da prestação de uma equipa pouco alegre, pouco assertiva e pouco dinâmica. Moutinho é o antónimo disso tudo. Basta reparar como o 'motor' luso descobriu a diagonal de Varela no primeiro golo, ou como na incrível sucessão de tabelas, com Postiga e Nani, onde o seu calcanhar achou o extremo do United no segundo golo do jogo. E se isso não bastar acrescente-se uma rara assistência de... cabeça, para ajudar também Hélder Postiga a regressar à equipa com um golo.

E enquanto Moutinho dava aulas em Coimbra a Rússia ia empatando com o Azerbaijão (1-1), realçando ainda mais que a qualificação directa acabou perdida por culpa própria e que o 'playoff' acaba por ser um justo castigo para o futebol que a equipa das quinas apresentou ao longo da caminhada.

Portugal-Luxemburgo, 3-0 (Varela 30', Nani 37 e Postiga 79')


www.facebook.com/agambeta

4 comentários:

luis disse...

Moutinho foi para mim o melhor da Selecção no último Europeu. É um grande jogador, este sim, underrated.

Bom post.

Marco Morais disse...

Tks =)

Tive com o Rodrigo há uns dias. Vê lá se voltas a Belmonte. Eu agora tou no Porto mas arranjo maneira de ir lá :D

Mike Portugal disse...

É o que eu dizia no post anterior. Com um Nani na sua forma normal (neste jogo ainda não esteve, mas já esteve melhor que no anterior) nem precisamos que os médios sejam "do outro mundo".

Neste jogo o Moutinho sobressaiu mais e isso ajudou bastante a equipa (no jogo anterior tinha estado mais apagado).

Mas vou ter que fazer uma critica que pode parecer clubista mas não é. Para jogar contra equipas muito fortes, André Almeida serve perfeitamente pois acho que até defende melhor que o João Pereira, mas contra equipas mais fracas nós precisamos de alguém que ajude muito mais no ataque como seria o caso do Cédric (e do titular João Pereira).

Tasqueiro Ultra-Copos disse...

até a Bósnia se qualificou que puto de vergonha. espero que calhe a frança no playoff pois se passarem ao menos pode ser que haja esperança nalguma boa figura lá no brasil em vez de irem fazer cenas contra estados-unidos ou australias...