domingo, agosto 22

Talismã italiano

Em Alvalade, mais uma primeira parte para esquecer. Não só o futebol jogado foi mau como o jogador que melhor se exibia ainda saiu para o hospital, inanimado, com traumatismo craniano.

Ao intervalo porém, eis que surge de Franceschi no relvado e, tal como em 1999, voltou a dar "sorte". Nunca percebi a obsessão dos adeptos com este jogador. Pela qualidade não seria certamente. Talvez por ser italiano ou talvez por funcionar como talismã. No recomeço da segunda parte, Ivone foi para a Juve Leo e por ali ficou durante uns largos minutos. Por coincidência ainda trocou umas palavras com uma amiga italiana que me pediu hoje para ver a bola junto dos tiffosi verde e brancos. Habituada ao Olímpico de Roma, gostou do ambiente da Curva Sul, mas reconheceu a pouca qualidade do jogo do Sporting.

No final, Matigol mostrou nervo suficiente para converter em golo, aos 88', um penalty assinalado sobre Liedson. Justiça no marcador, caída do céu, a penalizar a pouca ousadia maritimista. Era bom que na 5ª feira Ivone estivesse em Copenhaga...

3 comentários:

@leo@ disse...

Voltamos a não jogar nada, mesmo alterando o sistema tivemos dificuldades em criar ataques e falta de organização.
A vitoria sabe bem e precisávamos dela como tudo mas há muito trabalho a fazer.
Destaco André Santos que melhorou bastante na segunda parte mas teve muito pouco apoio.

Quinta feira era muito bom conseguir virar a eliminatória mas vai ser muito difícil.

TUGA disse...

Elenco já tens, só te falta enviar este guião para a TVI e com alguma sorte é a próxima novela a passar em horário nobre no canal.

Anónimo disse...

FIL

A falta de ideias é o que mais me preocupa. Gostei de Zapater, foi a melhor noticia de ontem depois do penalti.