terça-feira, maio 5

Passivos

Pode-se ler hoje na edição online do DN uma noticia de título mais ou menos assim "O elevado passivo do clube (Benfica) é considerado "preocupante" pelo ex-presidente do Conselho Fiscal, Luís Nazaré, que admite, em entrevista à Lusa, a necessidade do Benfica vender um ou mais jogadores no final da época."
Luis Nazaré adianta ainda que crê "... que andará em torno dos 300 milhões de euros, idêntico ao dos seus rivais, mas o valor económico da marca Benfica e a sua capacidade de obter receitas é muito superior".
Ora daqui retiro que o que é um problema para o Sporting, não o é nem para o F.C.Porto nem para o Benfica, apesar de ser um valor idêntico.
Para o FCP não admira. Tudo o que faz o seu presidente, segundo os seus adeptos, é louvável. Mesmo quando corrompe. Assim: "end of discussion". Para o Benfica, apesar de ser preocupante, também não é problema pois apresenta um potencial de receitas muito superior ao do Sporting e Porto. Quotizações, Televisões e Marca Benfica. As ausências da Champions podem ser compensadas com vendas de jogadores. Um reajuste apenas.
Portanto, só em Alvalade a palavra Passivo assume dramatismos como o "fechar portas, acabar com o clube ou gestão desastrosa". Só em Alvalade, onde se insiste em não esquecer resultados financeiros com possíveis títulos de campeão nacional ou futuros e sempre imprevisiveis aumentos de receitas, é que o tema é discutido e falado e posto em praça pública.
Ou seja, por pôr os problemas do Sporting em cima da mesa e não ter medo de procurar soluções sérias e discuti-las dentro do próprio clube como o conhecimento de todos, é-se acusado de tudo e mais alguma coisa.
Acho no mínimo demagógico quem insiste em incendiar desta forma. E só espero que nestas próximas eleições estas pessoas sejam novamente postas no seu lugar, isto é, como uma oposição minoritária à nova direcção do clube.
P.S- Este post foi a minha primeira contribuição para o inicio oficial de debate eleitoral que gostaria de ver neste blog.
:-)

1 comentário:

FIL disse...

A cantilena das receitas superiores aos outros é uma curiosa desculpa para gestão danosa e prejuizos futuros do SLB. É o habitual "quem vier atrás fecha a porta"