terça-feira, outubro 23

Em busca dos carneiros selvagens

É contrangedor o estado do país futebolístico. A corrida (da lebre e da tartaruga) à presidência do Benfica, o pesadelo directivo (mais um!) do Sporting e o sucesso regimentalista do FC Porto e SC Braga, comprovam-no. Todas as direcções querem uma hegemonia bastando-lhes para isso conseguir algum sucesso desportivo. Assim que o conseguem, por estas alturas casos de SC Braga e FC Porto, a maioria das vozes descansa e deixa trabalhar 'quem sabe'. A pluralidade acaba-se e começa o regime. Os clubes da Segunda Circular querem exactamente o mesmo. Investem numa vitória que cale as vozes da contestação, para gerirem a seu bel-prazer, mudar estatutos e criar o tal... regime.

Poderá parecer estranho, colocar exemplos desportivos de gestão no mesmo saco com 'projectos' de exemplos desportivos de gestão. É desses projectos que, por exemplo, sofre o Sporting. Não é segredo para ninguém que o clube está entregue, há mais de 20 anos, a pessoas que não percebem o que é o futebol. O estatuto de grande clube, a sua grandeza e a exigência dos seus adeptos, foi-lhe permitindo mascarar isso com alguns troféus e outras tantas carreiras interessantes na Europa. Mas a regularidade dos mesmos não satisfaz e o mau-estar é bem evidente. Anda-se sobre brasas no Sporting, mas nunca se escolhe ninguém com calçado apropriado para caminhar sobre elas.

Neste período todas as direcções foram uma real anedota. Umas focaram-se naquilo que pensavam que percebiam - o domínio económico -, outras, não percebendo de nada, focaram-se nos sucessos dos adversários. Mas nunca nenhuma se focou realmente em melhorar o clube de maneira a que se pudesse evitar esta atroz regularidade e mostra de incompetência.

E alternativas? perguntam os sportinguistas. Esse é outro flagelo que assola não só o Sporting, como os outros clubes que apontei no parágrafo inicial. É que se nuns o sucesso desportivo apaga do mapa as novas ideias, noutros o insucesso é o único argumento. O que nunca aparece é plano coerente para o sucesso...

Veja-se o caso da alternativa que aparece à actual direcção do SL Benfica. Rangel é o seu nome mas a sua palavra de ordem é: Vieira! E o que tem Vieira? Tem dois campeonatos ganhos e algumas carreiras interessantes na Europa. Não tivesse isso e o 'crescimento da marca Benfica' ou a renovação das Casas do Benfica valer-lhe-ia de pouco. Mas Luís Filipe Vieira conseguiu algo desportivamente e com essas vitórias conseguiu também um pouco da hegemonia de que gozam Pinto da Costa e António Salvador. A tal que deixa a pluralidade de ideias, no FC Porto e SC Braga, reduzidas a cinzas.

O futebol, como o País, está entregue às massas que adormeceram. Manobrados como fantoches, iludidos por uma ou outra questão, os carneiros domesticados mantêm todos os sistemas de eleitorado na estagnação. Repare-se como nos clubes portugueses poucas coisas são ofensivas. No Sporting existem estatutos que permitem à 'mesma' direcção (digam lá, não é a mesma?) ganhar mandatos consecutivos. No Benfica um presidente que foi tudo menos um sócio fiel é... presidente, altera estatutos para outros como ele não se poderem candidatar e escusa-se a um debate num canal de televisão que não deu um segundo sequer ao seu adversário! E sim, o presidente do FC Porto recebeu árbitros em casa.

Quem é que permite estas coisas? Eu chamar-lhes-ia carneirinhos, que por mais que estrabuchem não deixarão de ser domesticados. Não se tenha dúvidas que a consciência geral do País é a mesma de um animal domesticado. Pode ter os seus acessos de liberdade mas no fim acaba sempre mansinho. E só tem que entristecer, porque todos estes casos não teriam lugar num País que não vendesse os seus valores por meia duzia de tostões.

9 comentários:

J. disse...

O pessoal põe tudo no mesmo saco.

A SAD foi criada ha quase 20 anos e em 4 ou 5, já dava títulos.
Depois com Soares Franco, entrou-se em contenção, e ainda assim conseguiu-se umas taças e uns resultados financeiros positivos.

No entanto, o Porto ainda dominava ( não só dentro das quatro linhas) e era preciso mais do Sporting.
Confiou-se essa grande responsabilidade aos dois piores presidentes do Sporting da sua história. Bettencourt e Godinho!
Esses sim, são os verdadeiros responsáveis do estado actual do Sporting.

J. disse...

E agora estou com o Miguel, já me estou a mentalizar para a declaração de bancarrota nos próximos tempos.
Quem é que vai querer investir agora no Sporting?

Principalmente sabendo que nos ultimos 3 anos tivemos quase 200 milhões de prejuizos acumulados?

Eu já estou mentalizado para seguir o Sporting para ai na série F da terceira divisao.

luis disse...

Nem mais, Marco. O problema é mesmo ser impossível deixar de alimentar esta gente.

O futebol é o retrato do país, assim como a cultura, a saúde, a educação.

Hugo disse...

Gosto da referencia ao Murakami.
100% de acordo com o texto

Marco Morais disse...

Haruki rules!!! :D

J. disse...

Resta pensar que em certa parte podemos pelo menos tentar por fazer que isto tudo seja um pouco melhor no futuro!

Marco Morais disse...

J.

Tens uma visão mais detalhada sobre o que aconteceu no Sporting. O que é bem normal visto que és adepto do clube.

O que me parece, e é isso que tentei deixar bem claro, é que várias coisas passam impunes na gestão futebolística. E passam impunes porque nós queremos. Ou, se quiseres, o nível de consciência de quem decide é baixo.

Um exemplo disso: Se um político estiver envolvido num caso de pedofilia, a consciência geral do País actua em conformidade.

Actua para isso. Mas outros casos, graves, passam impunes porque não há consciência de gravidade. O que os nossos líderes fazem é gravíssimo, mas continua a parecer que não.

E para isso só há uma explicação. O nosso nível de consciência é baixo também. Solução: aumentá-lo! =)

Abraço!

Marco Morais disse...

O que me parece claro, também, é que há uma dúvida grande em Portugal sobre quem manda.

Eu não tenho dúvida de que quem manda somos nós. Só que não havendo consciÊncia disso, cai-se neste marasmo de inoperância.

É que isto é, e não tem outro nome, inoperância. Nós deixamos que isto aconteça.

LDP disse...

é uma faca de dois gumes.
A noite das ultimas eleiçoes do sporting sao o exemplo mais claro...Quem realmente teve mais votos? Quem realmente ganhou? O que se passou, e através de quem, nas horas entre o fecho das urnas e a confirmaçao dos resultados? E as agressoes...foram feitas por quem e contra quem?

E porque é que adeptos do mesmo clube de futebol vivem em tao exasperante desacordo logo no dia em que se elege uma direcçao nova, logo, esperando uma vida nova?

Duas épocas depois temos "este" sporting, o que nos obriga a nao ter mais do que "este" campeonato.