quinta-feira, outubro 4

Faltam 10 minutos, mas isto não vai ficar por aqui.

Antecipo já a crónica final do jogo. Uma equipa que entra em jogo, já completamente perdida, sofrendo assim 3 golos em 3 remates do adversário, sujeita-se a este tipo de coisas.

Para Sá Pinto será mesmo o adeus. Não tem a estabilidade emocional de um líder e isso vê-se em campo.
A equipa empolga-se com a mesma facilidade com que se deprime.

No ano passado, ainda nos fez acreditar na UEFA, na Taça e até chegámos a pensar que o terceiro lugar era possível. Recuperou a equipa na base da garra e atitude, usando um bloco baixo, sem muita posse de bola, que nos grandes jogos nos servia. Este ano está a fazer-nos envergonhar.

A equipa pura e simplesmente não sabe o que fazer com a bola. Ninguém percebe quem são os titulares e os suplentes. Não criamos oportunidades de golos e marcamos pouquíssimos golos.

Isto da Hungria, são daquelas derrotas que eu pensava que já tinham ficado lá bem para trás.

E pergunto-me eu: que mais tem um treinador que fazer para ser despedido?

Melhor sorte para o próximo que vier... pois bem precisa!

3 comentários:

Arlindo Tavares disse...

Quem se deve estar a rir é o Caneira e o Renato Neto. O futebol é pródigo nestas ironias.

Jorge Borges disse...

Nem quis acreditar quando liguei a TV e vi o resultado. Há noites más, mas contra o Videoton? é mau demais

Antonio Silva disse...

Todos nós temos os nossos Celtas de Vigo e Artmedias, enfim. Nesse aspecto ninguém tem razões para rir.