terça-feira, fevereiro 2

A lata à força

A última vez que vi, o Mundo não era perfeito. Nem me parece que alguma vez tenha sido. No entanto, há uma ideia de perfeição nas nossas cabeças que nos persegue para depois nos impedir de aproveitarmos o tal Mundo. Não duvidem, é de ideias mentais que nasce a insatisfação. Um perfeccionismo que tenta impedir, a todo o custo, o erro, criado por uma dualidade condicional. Isto é, somos felizes mediante condições: se o Mundo estiver de acordo com a nossa ideia mental, ficamos contentes; se não estiver, ficamos tristes, zangados, deprimidos. Tudo isto cria a exigente cultura da perfeição. Criamos a tal ideia e analisamos o Mundo à volta. Focamo-nos no externo e, quais ditadores, ignoramos o 'cisco no nosso olho', procurando repreender tudo à nossa volta, para que tudo à nossa volta, também, corresponda às nossas expectativas egocêntricas.

O futebol não está, obviamente, longe disto. Tal como qualquer desporto que se viva 'intensamente', de maneira dependente, a dualidade é gritante: ganhando, exultamos; perdendo; deprimimos. E livrai-nos de uma qualquer derrota nos possa ensinar algo, que nos possa fazer virar para dentro. Não é à toa que os factores externos são (mais) lançados para a praça pública em caso de derrota, impedindo-nos de pensar, sequer, que um jogo tem 90 minutos, inúmeras possibilidades de ataques e de criação de oportunidades e até, imagine-se, de golos. Qualquer dificuldade, qualquer contratempo no caminho, vai separando o trigo do joio - que é como quem diz: as equipas condicionais das incondicionais. Recordo: a última vez que vi, o Mundo não era perfeito, o futebol também não (o comunismo, idem). A falta de gratidão, e de respeito, pelo erro, essa sim parece ser 'perfeita', desde que não nos toque a nós ficarmos com a fatia dos erros mais irresponsáveis e flagrantes. Longe de nós, lá está, olharmos para o cisco no nosso próprio olho.

Porém, só olhando para dentro é que haverá hipótese de evolução, de transcendência. Gigantes adormecidos acordaram depois de saberem o que os fez dormir. Não podes curar aquilo que não vês, é certo. Hoje, por exemplo, o Sporting disputa com grande mérito a conquista da Liga. E isso alguma vez seria possível sem reparar erros próprios? durante anos, queixaram-se os leões de inúmeros actos de desrespeito que os impediram, segundo os próprios, de uma luta mais convincente. Mas, à vista desarmada, estava na cara o que os impedia de se agarrarem às lideranças, ou de morderem, de forma regular, os calcanhares a quem seguia na frente. Percebendo isso, num golpe de mestre, Bruno de Carvalho foi resgatar Jorge Jesus. Numa acção puramente futebolística, o presidente dos leões devolveu a competência e ideia de jogo de topo à sua equipa, estando o resultado está à vista.

Contudo, lembro, o Mundo não é perfeito. Eu e Bruno de Carvalho, estamos também longe disso. E não há problema nenhum, desde que os erros possam ser stepping stones para melhores acções no futuro. Um pouco como um bebé que tenta dar os primeiros passos. Cai, levanta-se. Cai, levanta-se. Se os pais não se meterem na equação com medos infundados, o rebento é capaz de um dia aprender a andar com qualidade, sem medo, preparado para aquilo que o rodeia e sem criar obstáculos desnecessários que o imobilizem, que o paralizem, que o impeçam de dar o passo seguinte pelos tais medos infundados. O Sporting de BdC já foi o tal bebé, e até já anda sozinho. Mas o pai é ultra-protector. Tem medo, não confia. Na sua mente estão as vitórias, mas também está lá a possibilidade de o filho não se aguentar por ele próprio e por isso tenta criar o ambiente perfeito para que o miúdo possa ter sucesso. É nobre, podem pensar. Mas na cultura de guerreiro, há sempre inimigos. Aliás, é a cultura de guerreiro que cria esses mesmos inimigos, que os atrai. E é o nosso medo que nos leva a crer que eles são tão poderosos como nós, que nos podem roubar algo.

BdC, tal como todos os outros, não é um presidente perfeito. Falta-lhe saber muita coisa, como todos os outros. Mas o que ele sabe, para ele, chega-lhe perfeitamente para se achar um bom presidente. "Os fins justificam os meios", afinal de contas são nobres fins, pensa. Outros pensaram de igual maneira, cometeram actos mais graves, mas, ganhando títulos, acharam que esses justificavam os tais meios. De maneira menos grave, ao critério humano e dualista, os títulos que BdC ganhar justificam um comportamento que atrai, para o Sporting, diversos inimigos. E o Mundo, lá está, não é perfeito. É até demasiado grande para alguém o controlar todo (já alguém conseguiu?). BdC tem na mente ganhar, nem que seja à força, nem que seja na última gota de suor ou sangue. E, reparem, é isso mesmo que ele está a criar. A pressão é tão grande que uma equipa infinitamente superior aos seus rivais - na qualidade de jogo - vai ganhando - umas vezes prejudicada, outras nem tanto -  várias vezes ao soar do gongo, enquanto foi perdendo pontos com os mais fracos. Os árbitros, claro, fazem também parte desta equação, mas o critério de BdC está longe de ser realista. No entanto, não se percam, até porque a ideia central do texto é a de que o Sporting, sendo de longe a equipa mais evoluída da Liga, está a criar as suas próprias dificuldades. BdC revitalizou o clube, mas achou por bem matar tudo aquilo que, à volta, não esteja de acordo com a sua expectativa. No alto da sua paranóia acredita que alguém pode roubar este título ao Sporting e Jorge Jesus vai na cantiga: "Vai ser um campeonato de sofrimento".

A força condicional tem sempre outro lado: a fraqueza. E quando qualquer condição nos coloca receosos essa [fraqueza] emerge. Ao tentar controlar o Mundo, ao querer o Reino à força, BdC e, por consequência, o Sporting que ele preside, e os adeptos que acreditam nessa forma de estar, estão a pôr-se a jeito para escorregadelas desnecessárias (sim, com árbitros incluídos). E ainda que isto tudo pareça muito injusto, convém lembrar que (eu pelo menos acredito) somos nós que criamos a nossa própria realidade. E estando o Sporting numa realidade paranóica de ferro e fogo, acreditando que alguém lhe pode roubar alguma coisa, isso pode muito bem vir a acontecer. O que é pena, visto que a melhor equipa pode acreditar que factores externos lhe podem retirar o lugar de melhor conjunto da competição. Compreende-se. O desejo de voltar a erguer a taça (ou troféu, para não confundirmos) é enorme, mas não pode toldar as mentes de quem o quer guiar para o Marquês. Ao responder a cada erro com uma declaração de força desmedida, BdC, e o seus seguidores parceiros na estratégia, só revelam o medo de que no fim as coisas não saiam como eles esperam. E a equipa não merece ficar assim exposta. É boa, em alguns períodos excelente até - o melhor conjunto do Sporting do qual eu me lembro - mas pode não aguentar o clima gerado à sua volta, mesmo que os seus pais queiram o melhor para ela. Isto porque toda a estratégia da SAD leonina tem pés de barro: ao dar uma importância desmesurada aos factores externos, está a acreditar que eles são muito mais poderosos do que realmente são. Já eu - ciente da ideia que me levou a escrever isto - nunca vi, nem em futebol, nem em lado nenhum, alguém tão inteligente assim que possa controlar tudo e todos com um sistema infalível que ultrapassa até o futebol jogado no campo. Até pode haver monstros debaixo da cama, mas o que é que faz com que eles nos impeçam de dormir?

Percebo que isto faça confusão, até porque ganhar, em futebol, justifica todos os erros. O tal troféu - chamemos-lhe lata - é o desejo. Com ele se celebra o facto de a nossa escolha ser a melhor. Escolhemos o clube que ganha e por isso somos também os melhores. Melhores que os outros. Podemos, nós, o clube, e a equipa, não ter feito nada para fazer evoluir o futebol, podemos ter ganho com 60 pontos, que, ainda assim, celebraremos a nossa superioridade e a queda dos nossos inimigos. O futebol interessa aqui muito pouco, senhores. Interessa tão pouco que séries infundadas de acções geram séries infundadas de retaliações, só pelo direito à celebração da superioridade. Hoje, a Liga tem três equipas que podem ser campeãs. E mesmo que uma delas não aguente até ao fim - à medida que o campeonato avança será muito difícil por factores mentais um third party incluir-se até ao fim - é salutar que uma Liga possa ser competitiva. Porém o ambiente é tudo menos festivo, tudo menos descontraído. E um presidente pode ganhar todos os títulos do Mundo - que não o fará - mas não contribuir para fazer do futebol aquilo que ele realmente é, será sempre a maior das derrotas. Dele e de todos os agentes desportivos e adeptos que andam a contar os títulos para saberem quem é o melhor clube, que andam a contar as vitórias para saberem quem é a melhor equipa, e os golos para saberem quem é o melhor jogador. O futebol é tão mais que isso.

36 comentários:

Keegan disse...

A incoerência no futebol é regra, a excepção são alguns adeptos, mas do meu ponto de vista, este ano, o Sporting ultrapassou tudo aquilo que vi. São estratégias, mas não fazem nada bem ao futebol, nem aos próprios sportinguistas, porque felizmente ou infelizmente muitos deles acham que assim é que estão bem.

PS. Bom texto.

Marco Morais disse...

Obrigado, Keegan :)

Pedro disse...

Parece-me que BdC esticou a corda e será a estratégia do tudo ou nada. Se tem o "azar" de não ganhar aquilo pode ruir para um ponto de não retorno.

Marco Morais disse...

Isso não sei, Pedro. Até pode ganhar e depois não ganhar mais nada, como pode perder e depois ganhar três seguidos. Não é esse o meu ponto. Quis chamar a atenção para o facto dos jogos do Sporting estarem a tornar-se numa espécie de luta contra o Mundo -em que o anjo tem de vencer as forças do mal. Parece-me que a estratégia da SAD está a criar isso. Até me parece que essa estratégia tem dado força ao inimigo. Não me parece que a equipa precise dessa carga, nem me parece que haja qualquer perseguição. Parece-me é que BdC é viciado nessa consciência e que isso prejudica uma equipa que sozinha ganharia o campeonato sem problemas. É só um ponto de vista - o paranóico posso ser eu :)

Marco Morais disse...

Parece-me que exagerei nos pareceres. Meu Deus tanto que me parece. Telemóvel. Sorry.

J. disse...

Eu acho que há várias coisas que dizes aqui que não estão correctas ou que pelo menos não são tão claras assim.
Primeira de todas, o Sporting sim foi um justo vencedor da primeira volta, mas não podemos ignorar o momento de graça em que vive neste momento o Benfica, com a sua enorme capacidade ofensiva. Terão as suas provas de fogo muito brevemente. Mas neste momento, têm apenas e só o melhor ataque da prova com larga distância e a melhor defesa. Daí que não se possa dizer que sejamos inequivocamente a melhor equipa da prova.

Depois, há um aspecto cultural que importa referir aqui. Em Portugal é-se muito mais penalizado pelas palavras e imagem do que pelas próprias acções em si. Vende-se hoje em dia que BdC é um dos grandes vilões do nosso futebol, no entanto, aparte de entrevistas e palavras mais acaloradas que acto tão vil e cruel lhe podemos apontar?

O que se diria dele por exemplo, se tivesse um processo crime por andar a utilizar um esquema de seguranças privados (com que objectivo?) ou se tenha tido o estádio e as proprias instalações do clube para venda de artigos "mad e in Colombia"? Ou até se tivesse tentando ocultar o máximo possivel que no meio de uma camisola oferta de um dos simbolos do clube, houvessem vouchers para jantares?
No entanto, quase tudo isto é esquecido entre muitas outras coisas, quando se pensa nos grandes presidentes de Porto e Benfica, e por isso andam lá tantos anos, em contraponto com um malfeitor que temos em Alvalade...

J. disse...

Por fim, e só para que não se diga que sou um incondicional apoiante de BdC, reconheco-lhe muitos méritos (alguém se lembra do que era o SPorting á apenas 3 anos?) e um defeito que lhe pode ser "mortal" no clube.
Obviamente que os titulos o podem fazer continuar no clube, mas há um aspecto que já deveria ter aprendido a lidar, sob o risco de gerar um cansaço institucional na posição que hoje ocupa.
Por palavras de outro: "é o seu carácter controverso e a falta de equilíbrio nas declarações que profere que fomentam as reacções de desaprovação. É isso que desvia as atenções do que tem conseguido realizar"

Pedro disse...

Se eu amanhã for assaltado no Alvaláxia a culpa é do sporting e do seu presidente? Faz tanto sentido como trazer a cena da porta 18 para esta discussão.

Marco, mas vai de encontro ao que dizes. BdC incendiou o futebol português sem motivo que não seja o da união dos sportinguistas. Mas fê-lo de uma forma absurda e errada que irá provocar o caos em Alvalade caso não triunfe. É que enquanto estão à frente tudo é bonito e aceite...quando cairem cuidado, o tombo será fortíssimo.

FCS disse...

Sim sim, o futebol português era um mar de rosas até à aparição do BdC!

Marco Morais disse...

Corri o risco, premeditado, de individualizar, demais, na pessoa do Bruno de Carvalho. Mas fi-lo apenas e só para provar um ponto: que uma política guerreira como a dele pode pôr em causa uma equipa que conseguiu atingir níveis que mais nenhum rival conseguiu, esta época.

Sei que o texto é longo e que pode ser cansativo, mas, para quem não me costuma ler, estão lá detalhes que sublinham que outros presidentes pensam da mesma maneira. O que interessa é ganhar a lata, lembram-se?

João,

Se o BdC é um vilão, um malfeitor, não sei. Nem quero saber. Era o que faltava estar com juízos de valor desses. Apontei sim que a sua política pode prejudicar a equipa. E apontei também algumas hipóteses de isso poder ter acontecido. Uma que não apontei (acho - porra o texto é tão grande que nem me lembro) é que poderá ter sido o Sporting a dar uma força ao Benfica nessa recuperação. Com tempo para lamber as feridas, o bicampeão uniu-se em torno da luta contra o líder. Não foi o Sporting que melhorou a qualidade do jogo do Benfica, mas posso garantir-te que as constantes farpas fizeram a equipa técnica e os jogadores unirem-se. Isso nota-se na forma como a equipa, à beira do colapso, permaneceu unida. E todos pensávamos que 'aquilo' caía sozinho...

Mesmo que a teoria do "Sporting estar com medo do Ferrari" não seja válida, a constante gritaria dá indicadores ao Benfica de que é possível. O Benfica é, até, o inimigo que falo no texto. E o Sporting com a qualidade de jogo que consegue atingir não tinha (nem tem, parece-me) necessidade de preparar caminho até ao Marquês. A não ser a necessidade de BdC (com par em PC e em Vieira) em ficar ligado como herói de uma conquista sem paralelo desde 2001.

Isto pode ser verdade e pode ser mentira. É só uma teoria. Mas o que não fiz, em algum momento, foi acusar BdC de ser o vilão nesta história. Está lá, se procurarem bem, uma referência a Pinto da Costa. Mas por BdC ser relativamente mais ético, isso não me pode impedir de comentar a actualidade do futebol com base naquilo em que acredito. Ou antes de qualquer texto tenho de fazer um ponto prévio a dizer que PC é um velho corrupto?

Há milhares de opiniões sobre este assunto por essa web afora. Esta é só mais uma.

Outra coisa: mesmo que 7 milhões de pessoas achem que BdC é réu, isso faz dele um réu? Que eu saiba a Verdade é independente de maiorias (como rezam todas as eleições neste país)sendo que o que eu acho de BdC, ou de vocês, em nada muda a Verdade. Depois há verdades relativas, bens relativos, males relativos... e a eterna luta pela glorificação do ego. BdC é só mais um desses - como todos os que me lembro. Não é alguém que vê o futebol como um todo, nem que tenha soluções que levantem o todo. É alguém que levantou o Sporting, somente, e porque a garra é superior à letargia - como já aqui tentei explicar muitas vezes.

Marco Morais disse...

Pedro, todos os clubes estão dependentes disso que tu apontas. Com o Sporting não é diferente. Já isso do cair e não se levantar... andam a dizê-lo do Porto há três anos. Os clubes são grandes e apoiados demais. Obviamente que há rombos e tem de haver mudanças de rumo, mas o futebol português está, e esteve, naquele ponto em que a melhor equipa ganha. A mais forte colectivamente, tácticamente e mentalmente - para resistir a todas as incidências - acaba por ganhar. Por isso as estruturas servem para criar essas condições e para escolherem os melhores homens. Neste momento tenha a ideia de que o Sporting é a equipa mais forte. Mas tenho (agora) dúvidas quanto ao ponto mental, muito pela estratégia que a SAD seguiu.

O Benfica parece-me emocional e demasiado assente numa arma (cruzamentos, que incrivelmente dão quase sempre golo!) e o Sporting parece-me melhor tacticamente mas a ficar também demasiado emocional. Já o Porto não pode perder sequer um ponto que os outros ganhem - e isso diz quase tudo em relação às suas aspirações.

Peyroteo disse...

"Uma equipa infinitamente superior aos rivais na qualidade de jogo"

Não fui eu que escrevi :)

Pedro disse...

Com o sporting é diferente pq está num jejum de títulos e pressão financeira que nenhum dos outros tem.

LDP disse...

A equipa infinitamente superior aos rivais sofreu 7 golos nas últimas 4 jornadas.
Sendo que 4 deles foram em casa e contra o último e penúltimo classificado, respectivamente.

Alguém deveria explicar isto.

Peyroteo disse...

Talvez porque dois dos golos foram irregulares... Talvez porque em 3 jogos com o Benfica, essa máquina ofensiva, só sofreu 1 golo...

Marco Morais disse...

Não me apoio nos números para dizer isso. Apoio-me no nível a que vi o Sporting chegar, nível esse a que mais nenhum rival chegou. Se sofre esses golos todos, há muitas explicações e talvez JJ também possa permitir maiores veleidades: recordo o golo sofrido com o União da Madeira (o comportamento defensivo do Sporting tem sempre mais unidades). Como o golo do empate do Tondela - onde se notou inexperiência entre o subir e descer da defesa (nada como com Marco Silva, não se assustem).

Se isto quer dizer que o Sporting vai ser campeão? Não, não quer. Mas o que já lhes vi fazer - em Paços, por exemplo, ou a espaços em vários jogos - é de um nível a que o Benfica emocional e o Porto sobrevalorizado e desconfiado não chegam. Mas nada como esperar por maio. Se calhar devia calar-me a época toda e ao fim dizer que já sabia :P

Sobre o Benfica falamos ao final deste mês. Subiu de produção e de confiança, não desminto. Mas não estou convencido que os cruzamentos continuem sempre a dar golo. Olhem, o Belenenses vai ser um bom teste, parece-me.

Marco Morais disse...

Pedro, talvez. Mas recordo-te que, antes das épocas negras começarem, apontaram sempre ao título e não ganharam - até já investiram bem mais. Não foi por isso que deixaram de existir e não foi por isso que não conseguiram este ano ser um real candidato.

Agora... que tu queiras (muito) que aquilo vá tudo ao charco, isso não duvido =)

Mr. Shankly disse...

"Talvez porque dois dos golos foram irregulares"

Eh pá, não sejas moderado. Foram todos irregulares, até agora :)

Peyroteo disse...

Não são todos mas se calhar ficas surpreendido: são 5 em 14

FCS disse...

Deve ser paranóia sportinguista certamente mas, após fenómeno Cosme, nada mais indicado do que nomear um apitador que esteve de pousio pelo brilhante que fez em Guimarães.

Peyroteo disse...

FCS, tudo normal, tudo normal...

Marco Morais disse...

Ora reparem aqui, como BdC apresenta o Sporting aos novos reforços:

"Marvin, Schelotto, Ruben Semedo, Bruno César, Coates e Barcos, bem-vindos e que com talento, garra, atitude, vontade, trabalho e humildade, contribuam para cumprirmos os nossos objectivos! Para os que ficaram uma só palavra: obrigado! Este Sporting de sofrimento, superação e garra é o voltar ao ADN de um clube que nasceu para vencer!"

Sofrimento! Garra! Superação!

Sofrimento, logo em 1.º para dar ênfase ao meu post. Qual tranquilidade, confiança, inteligência...? Onde houver uma remontada para fazer, um jogo épico decidido no último minuto... "EU VOU LÁ ESTAR!"

Peyroteo disse...

Mas também é preciso isso para dar a volta a certos jogos. O Sporting tem isso tudo, além de ser a melhor equipa.
E ainda não tínhamos o Barcos que, além da garra, é um jogador inteligente.

Marco Morais disse...

Disse isto há pouco: para ir o Montero até podia vir o Iates.

luis disse...

Sobre BdC: o espantoso é que pessoas que não suportam gabrieis, pdc's, guerras e afins, adoram BdC, o anão, o não sejas Inácio e o senhor do catering, cujo nível é baixíssimo.

Sobre Monteiro, é provavelmente o jogador mais inteligente do plantel e por isso faz sentido ter recebido guia de marcha. O nolito foi igual e hoje só é desejado pelo Barcelona.

Peyroteo disse...

Eh, comparar BdC e Octávio com esses cepos... Basta ver a mensagem de BdC sobre os jogadores que saíram. O homem excede-se mas está ali para defender o Sporting. Os adeptos percebem isso...

É Montero! Porra que vocês traduzem os nomes dos jogadores todos. È o Castilho, é o Monteiro, é o Bryan Luís. :)
Tenho pena que Montero saia. Jogador com classe. Mas se não sair mais ninguém, não é dramático.

O Sporting fortaleceu muito o seu plantel em Janeiro.
O Porto fez exactamente o contrário.
O Benfica quase nada mexeu.

luis disse...

Esta merda do corrector. O anão é intragável... Aliás, é o pior dos que mencionei. Velhaco, mauzinho, inconsequente, difamatório. E ressabiado. Chiça.

SportingSempre disse...

Marco:
Costumo gostar do que escreves mas discordo de quase tudo desta vez.

1 - com muita pena minha não vejo essa superioridade no futebol do SCP em relação aos outros. Vi-a "apenas" nos quatro clássicos jogados até agora. O treinador é do melhor que há por cá, mas a diferença coletiva não é grande, até pelos superiores orçamentos dos 2 rivais.

2 - o Sporting como clube, está a ser atacado por todos os lados, também por culpa das guerras que cria, mas acima de tudo por conseguir colocar em causa a hegemonia de quem tem poder verdadeiro cá no burgo (FCP e SLB). Ou seja, não é paranoia ou mania da perseguição, o Sporting será campeão só e apenas só se for muitíssimo superior aos rivais ou se estes se espetarem ao comprido.

3 - Mal ou bem este presidente contra ataca persistentemente quem tem poder (fundos financeiros, empresários, conselho de arbitragem, liga de clubes, fpf em geral e fcp e slb em particular). Todas estas entidades têm interesse na manutenção do status quo, que o SCP tenta alterar. Todas elas tentam contribuir como podem e sabem para que tudo se mantenha na mesma, o que implica o Sporting não ficar em 1º.

PS - Com métodos muito diferentes e, ao contrario destes, que se resumem quase só a barulho (muitas vezes justificado, como é o caso das vergonhosas ofertas a árbitros, delegados e observadores), verdadeiramente condenáveis, Pinto da Costa conquistou o poder no futebol tuga com vários pontos em comum e semelhanças no discurso, do "nós contra o mundo" ou "está tudo contra nós". Não vi as equipas do Porto nessa altura acusarem a pressão. Se o SCP não ganhar este campeonato será porque não foi competente o suficiente ou porque quem detém neste momento o poder não o permitiu.

Marco Morais disse...

Sporting Sempre,

Podes discordar à vontade. É para isso que cá estamos. Percebo a visão e o 'tem de ser assim'. Aliás, BdC só o faz porque há muito que a maioria leonina reclamava este tipo de atitude - de força, de garra, de reacção. Mas atenção: nunca tentei colocar o que BdC faz, abaixo do que outros fizeram. Discordo é que sejam essas políticas a ganhar campeonatos. Se me lês sabes que defendo que o ciclo de vitórias do Porto apoiou-se em vários treinadores de enorme qualidade - outros nem tanto, mas com adversários letárgicos chegaram para a encomenda.

Outro erro comum é o de se comparar os três anos que o Porto esteve sem ganhar à entrada do milénio, com estes, que poderão muito bem ser três também. Hoje há um culpado claro: Jorge Jesus e a qualidade das suas equipas. O que torna ainda mais urgente a necessidade de se contratar um treinador de topo.

Para mim o Sporting tem o melhor treinador. É-o por tirar o melhor rendimento dos jogadores. Tem os seus handicaps e pressionado cede. Ora, para mim, toda a pressão que o Sporting quer fazer para se impor só lhe dificulta o trabalho.

Mas o que fica claro aqui é que o nosso 'desentendimento' começa num só ponto: para ti são as estratégias estruturais que traçam o rumo da Liga; para mim são estratégias técnicas. Claro que umas servem para ajudar outras, e umas sem outras não existiriam. À pouca luz da minha visão, a política da SAD leonina só prejudica. E acreditar que a equipa é limitada e que os rivais têm de se espalhar é que causa isso.

Volto a repetir: o Sporting atinge níveis de jogo - a espaços, é certo - que nem Benfica, nem Porto, sonharam chegar nesta época. Não é à toa que no confronto directo a coisa vai como vai. Pensar que esse indicador não quer dizer nada, é o mesmo que dizer que tudo vai bem quando uma equipa não cria chances de golo. Se uma equipa as cria, em grande número, os golos vão acabar por aparecer. Ora, traduzindo isto, se o Sporting é forte contra os fortes também o tem de ser contra os pequenos. A não ser que haja um bloqueio.

A conversa da arbitragem, desculpem, mas não me interessa. Seria mais fácil o tal sistema não deixar o Sporting ganhar ao Benfica e ao Porto, e não me parece que o Sporting tenha razão de queixa nas arbitragens desses jogos. Já foi prejudicado, já foi beneficiado. É futebol - daí eu falar no post em equipas condicionais e em equipas condicionais.

Para mim, o sistema estar a apostar em tirar pontos ao Sporting, em casa, contra equipas do fundo da tabela, não faz sentido. Como não faz sentido fora de casa, também. Mas eu nunca os donos do futebol mais espertos do que eles são.

O facto dos adeptos do Sporting continuarem a acreditar que um polvo lhes pode roubar o título mostra falta de fé no futebol da equipa e nos jogadores:

Patrício/Casillas/César

João Pereira/Maxi/André Almeida

P Oliveira/Indi/Lisandro

Naldo/Marcano/Jardel

Jefferson/Layún/Eliseu

William/Danilo/Fejsa

Adrien/Herrera/Renato

Ruiz/André André/Jonas

João Mário/Corona/Pizzi

B César/Brahimi/Gaitán

Slimani/Aboubakar/Mitroglou


Sporting (alternativas): Mané, Gelson, Matheus, Aquilani, Teo

Porto: Rúben Neves, Bueno (Suk? Marega? Varela?)

Benfica: Nélson Semedo, Samaris, Carcela, Jiménez

Jorge Borges disse...

Concordando na íntegra com o que escreves, apenas reforço a ideia que os presidentes são todos mais ou menos iguais, com estilos diferentes é certo, mas no final vai tudo dar ao mesmo.
Acrescento ainda que os grandes culpados disto tudo somos nós, sócios e adeptos, que só criticamos nas derrotas e cegamos nas vitórias, ou quando estamos perto delas. Exigimos muito pouco dos nossos dirigentes, queremos ganhar a qualquer custo.
Irrita-me esta acefalia dos adeptos. Olhando para o meu clube, custa-me muito ver que o LFV ainda consiga obter 83% da preferência dos votos. Mas os outros não são muito diferentes. Há medo (ou puramente cegueira) em criticar, de se ficar refém das palavras, de opiniões. Por exemplo: há algum mal em um adepto do Porto ou do Benfica dizer que no passado fim de semana o Sporting foi altamente prejudicado pela arbitragem de Cosme Machado? Só um cego é que não consegue ver isto... Há algum mal em um adepto do Sporting dizer que a reacção do Octávio é despropositada porque este mesmo árbitro já esta época errou em lances capitais em benefício do Sporting? também só um cego é que não consegue ver. E mais exemplo se poderiam dar. Dos que desconversam e brincam com a situação quando são beneficiados, mas assumem atitudes de grande seriedade, de indignação quando são prejudicados, dos que mudam de opinião sobre determinadas situações em função da cor da camisola ou do que o presidente diz.
A nós, sócios e adeptos, devemos exigir honestidade connosco próprios, sermos coerentes, independentemente da cor da camisola. o que é branco hoje não pode ser preto amanhã. Se cada um de nós for assim pessoalmente, vai ter certamente capacidade de criticar os dirigentes, de os fazer ver e perceber que também exigimos deles coerência de seriedade.
É utópico, eu sei, mas está na disponibilidade de cada um de nós fazer um pouco mais para ajudar a mudar o estado das coisas.
Pode não parecer, mas enquanto fenómeno desportivo, o futebol está a morrer, e não nos podemos demitir da nossa culpa.

Mr. Shankly disse...

"É Montero! Porra que vocês traduzem os nomes dos jogadores todos"
Tivemos 6 anos de Jesus, pá. Dá-nos um desconto :)

luis disse...

Marco, o que tens a dizer da melhoria do jogo de jogadores como Eliseu, Almeida (melhor época), Gaitan, Jonas, por exemplo, e do aproveitamento de vários jovens, sem experiência? Como explicas?

Os últimos jogos do Benfica foram como alguns de Jesus no ano passado e até de há dois anos. Pressão alta, oportunidades de golo, poucas ou nenhumas oportunidades consentidas.

Neste último jogo houve jogadas de classe. Não tem jogado bem? Jogava melhor? 10 golos em seis dias em jogos fora pode falar-se de rolo compressor quando?

luis disse...

E esqueci me do Pizzi, que parece outro.

Marco Morais disse...

Jorge, concordo absolutamente com tudo o que escreveste.

Luís,

A questão do Benfica é delicada, para mim - que sou assumidamente adepto portista. Percebo o momento de confiança em que vive a equipa - que se soube unir na adversidade. Assim como percebo o mérito de Rui Vitória nesta série de derrotas e reconheço que a equipa está melhor e com capacidade para ganhar a maior parte dos jogos da Liga. Mas o que eu não posso ser é emocional como o futebol do Benfica. E até posso estar em melhor plano para o fazer, visto que as minhas ligações emocionais ao Benfica devem ser nulas. Ora, devem ser mas podem não ser. Se calhar quero que o Benfica perca e desvalorizo a melhoria. Porém, seja como for nada disso interessará se o Benfica for realmente a equipa que hoje apregoam que é.

Para mim, do que vi, não é.

Não é porque me parece tão anulável como era quando perdeu contra o Sporting e contra o Porto - mesmo tendo ganho ao Atleti e ao Braga. Parece-me que há um desbloqueador que - digo com clareza e sem medo de poder vir a engolir as palavras - certamente não irá funcionar contra equipas evoluídas. O Benfica desbloqueia os jogos com cruzamentos que apanham dois jogadores na área (quando muito!). Esses cruzamentos têm dado (quase sempre!) golo. Esses golos dão vantagens, as vantagens dão tranquilidade, a equipa solta-se. Aí, podia meter-te lá a ti (quando o Benfica estiver a ganhar 3-0) que até tu davas uns toques, acredita.

Isto é um assunto sensível, admito. Mas o que vocês devem acreditar (se estivéssemos os dois, ao vivo, jurava-te a pés juntos) é que se estes resultados e este futebol fossem jogados pelo Porto, a minha crítica seria a mesma. Há futebol que acredito e há futebol que não acredito. Peço desculpa mas não acredito no futebol deste Benfica.

(No do rival Sporting acredito, por exemplo)

Acredito sim que Jonas, Gaitán, Pizzi e Renato têm imensa qualidade - e que com liberdade são muito difíceis de parar. E isto parece um contrassenso, mas faz-me sentido porque sei que a liberdade irá desaparecer conforme a dificuldade dos jogos. Aí o Benfica irá cruzar, cruzar, cruzar, porque Rui Vitória tem imenso medo de jogar pelo meio e porque tem imensas reservas mentais em relação ao seu modelo para jogos de grande importância (revê os jogos do Vitória na casa dos grandes). Quando, contra o Zenit, vires Renato ao lado do trinco, quando vires os laterais com reservas em subir, e quando só vires um (às vezes dois) jogadores na área para cruzamentos do Gaitán ou do Pizzi (que desperdício) vais saber do que falo.

Isto é aquilo em que acredito. Mas podem sempre acusar-me de que é aquilo que eu quero que aconteça. Fevereiro trará a resposta e nenhuma destas minhas imagens mentais vai prejudicar o Benfica. Se for bom, é - não vou, garanto, torcer para que não seja. Se não for não é. Como diria o Lopetegui: 'es lo que es'.

Convém não esquecer que o Benfica tem objectivos claros. Quer ser campeão e, estando nos oitavos, quer certamente passar aos 'quartos' da Champions (o adversário nem é um colosso). As goleadas e a subida de produção podem indicar que o Benfica tem futebol para conquistar esses objectivos. Para mim, certos indicadores (perda do controle do jogo, dificuldades na gestão da posse, dependência do jogo exterior para criar chances e os previsíveis acertos tácticos de RV) indiciam-me que não tem.

vitor disse...

"... o melhor conjunto do Sporting do qual eu me lembro." Espero que não seja Alzheimer. Pior mesmo só um Vasco a fazer de Peyroteo.

Marco Morais disse...

É. É Alzheimer.

Mas olha, é Carvalhal ninguém leva a mal =)