quarta-feira, setembro 21

Xeque ao Rei da continuidade

Em mais uma ironia do destino FC Porto e SL Benfica encontram-se, sexta-feira, na mesma posição (a que os dois auguram) e com os mesmos pontos. Ou seja, por mais que se queira relativizar a importância deste 'clássico' esse será, sempre, um esforço em vão. O FC Porto prepara as épocas de forma a não caminhar sobre brasas e embora, de quando em vez, esse seja também um esforço em vão, é, a meu ver, este 'especial' momento que vai decidir muito desta época que, imagine-se, ainda agora começou.

Ponto prévio: A época anterior marcou todos os portistas. Foi mais uma, daquelas especiais, que ajudam a definir os princípios pelos quais o clube se deve reger. E estas, por serem tão brilhantes e definidas, condicionam todas as outras que por esses princípios não se regem.

Este é o maior desafio de Vítor Pereira. Enquanto as conversas forem os jogadores, a táctica, o modelo, a má ou boa maneira de comunicação, muito bem estará o treinador que ande de dragão ao peito. Mas quando a conversa, subitamente, resvala para falta de atitude, 45' minutos de vantagem, 'jogar mais com o coração do que com a cabeça', 'oito bolas na barra em três jogos' e expulsões infantis, a sua cabeça começará a ficar, inevitavelmente, ao 'pé do cepo'.

E conforme as relativizações que expliquei no tradicional primeiro parágrafo, este é um caso que também a mim nunca me apetecerá relativizar por ser um esforço em vão. De que me adiantaria estar a encobrir uma situação que me parece óbvia? Claro que ao clube e aos seus representantes também não lhes convém 'abrir o jogo', mas toda a gente de bom-senso sabe que se Vítor Pereira, e o FC Porto, falhar neste jogo a margem de manobra fica extremamente reduzida. Não nos podemos esquecer, que a aposta na continuidade é isso mesmo: uma aposta na continuidade. Para já, à parte de outros indícios - com as condicionantes devidas, obviamente -, o jogo com o Feirense é uma rotura nessa continuidade.

Daí o 'desafio alucinante' (ah saudades dessa frase!!) que o FC Porto e o seu timoneiro agora enfrentam. Roturas com o passado colocaram-nos 'a jeito', mas não há melhor maneira, melhor momento, melhor ocasião que esta para nos recolocarmos como princípais candidatos ao título. Daí, também, as minhas saudades lamechas da tal frase. É que qualquer 'desafio alucinante', mesmo que deitados com a cabeça num cepo, tem de ser recebido com um sorriso nos lábios. Esse será sempre o Nosso Porto, esse que as épocas de conquista querem, forçosamente, formar.

A continuidade de uma época em que SEMPRE se ganhou ao maior rival, é, obviamente, continuar-lhe a ganhar.

23 comentários:

luis disse...

O FCP nunca precisou de estímulo algum (seja de tabela classificativa, seja outro qualquer) para estes jogos.

Embora, por um lado, admire a "fúria" e a "raiva" com que nos defrontam, existe o outro lado desse mesmo comportamento.

O lado das agressões, da violência, da guerrilha, do medo, das bolas de golfe.

E esses sentimentos são suficientes para tornar este tipo de jogos sempre, mas sempre, em algo que transcende o FCP.

Neste sentido, considero que este jogo é "vital" para o FCP. Nem que seja apenas e só porque é contra o SLB.

Pedro disse...

Sempre?

olha que não...

Marco Morais disse...

Luís, em todo o post fugi ao tradicional Porto-Benfica, para dar maior enfâse a este que se segue. E isso pelo momento, que classifiquei como 'ironia do destino'.

Como sabes desejo sempre clássicos sem 'terror'. Mas não acredito que seja isso que faz ganhar a quem o pratica ou perder a quem não o pratica.

Espero um Porto guerreiro dentro de campo. Mas se a guerra é futebol que não extravaze para mais que isso. Quero um Porto a dar resposta, a dizer sim ao título. Nada mais que isso.

Por ser, nestes últimos anos, o Benfica a fazer essa 'pergunta', ou seja a ser quem nos confronta, os mentecaptos de um lado e de outro sentem-se na obrigação de participar com a sua selvajaria. O que é algo profundamente estúpido e ao qual não dou a mínima importância futebolística. Como já expliquei noutros posts é um problema cultural.

Pedro,

Sim podes ter razão, mas sei que percebes porque eu disse o 'sempre'. Bem vistas as coisas...

luis disse...

Claro, Marco, nem a tua postura me surpreende minimamente (já deste provas mais do que suficientes que abominas processos digamos, pouco convencionais para se chegar à vitória.

"Mas não acredito que seja isso que faz ganhar a quem o pratica ou perder a quem não o pratica."

Bem sei que não acreditas. Mas quem viu bem os anos 80 e 90 sabe que é verdade.

Pedro disse...

Os anos 80 e 90....

É a gargalhada do ano.

Nos anos 90 vias o tsubasa e o vitinho.

Menino pequeno

Peyroteo disse...

Jogar no Porto é sempre mais complicado que nos outros campos, pelo nível de agressividade e intimidação que se coloca sobre os adversários, quer dentro das 4 linhas, quer fora delas. Isso influencia, não garante vitórias, mas influencia certamente.
E penso que não está tão mau como antigamente. Nos anos 80/90 era até escusado uma equipa deslocar-se às Antas. Os pontos ficavam lá, e voltávamos com algumas expulsões e lesões na bagagem. Lembro-me do Sporting lá ir em 93/94, levar um festival de porrada, e acabar o jogo com 8 jogadores. Até o Juskowiak, que não deve ter feito mais de 10 faltas na carreira toda, foi expulso.

luis disse...

Peyroteo, mas tu não vias o vitinho e o tsubasa, nessa altura? :)

Peyroteo disse...

Via era o Vitinha, que jogou no Setúbal e depois no Farense.

luis disse...

heehehheheh

Pedro disse...

Claramente Peyroteo eles foram todos mal expulsos. Toda a gente sabe que no futebol nacional, qualquer título do FC Porto, é roubado/espoliado aos clubes lisboetas.

E,só para te dar ainda mais razão, deixo aqui o vídeo do roubo, que aconteceu em 1993/1994.

http://www.youtube.com/watch?v=PAdC_OqVDsQ

Que não te falte nada. Nem a ti, nem ao vitinho do sectorb32.

beijinhos

Pedro disse...

Ah e nem mencionei o vosso mister nessa época.

Só para veres como te tenho em alta estima;)

Peyroteo disse...

Felizmente, existem vídeos com mais de 1:20 minutos sobre esse jogo.

http://sporting.footballhome.net/index.php?option=com_seyret&Itemid=29&task=videodirectlink&id=343

O Paulinho Santos tem uma entrada vergonhosa sobre o Paulo Sousa e nada, nem amarelo. O Peixe, igual, foi logo expulso. Veja-se o comportamento dos jogadores do Porto entre o minuto 3:20 e os 5 minutos.
Veja-se a entrada do Aloísio sobre o Juskowiak aos 5:35.
Enfim, o critério era de tal forma parcial que nem merece discussão.
Aliás, nem nas divisões inferiores da Argentina deve haver o nível de intimidação e agressividade que o Porto trazia para os jogos por esta altura. Veja-se, os jogadores do Sporting tentam nivelar o jogo nesse aspecto mas nem chegam aos mesmo nível e ainda assim acabam com 3 expulsos e o Porto acaba com 11. Uma equipa com Fernando Couto, Paulinho Santos, André, Secretário, Kostadinov, etc. acabar com 11 é obra.

Peyroteo disse...

Esta também mostra bem o que era jogar nas Antas por esta altura.

http://www.youtube.com/watch?v=wauGZP23-8w&feature=related

É quase inacreditável que uma entrada destas dê apenas lugar a amarelo e a pressão que se segue é qualquer coisa de extraordinário.

Pedro disse...

O Jusk foi mal expulso?

Pedro disse...

Comparas o Porto a futebol argentino de 2ª categoria?

Jogo de juniores acaba em agressões e pedradas. Quem?! Sporting

http://www.youtube.com/watch?v=0UlVgoca6n8

Adeptos agridem e atiram pedras à polícia e aos adeptos do clube adversário. Quem? Sporting

http://www.youtube.com/watch?v=0P2aNiiADHw

Etc, etc, etc...eu podia colocar aqui n vídeos, tu de certeza que encontras também n vídeos do Porto, do Benfica e por ai fora.

Isto faz parte do futebol e por muito que as virgens ofendidas o queiram esconder, afirmando que isso apenas acontece aos vizinhos, os vídeos não mentem.

A história que no Porto e no Norte é que há violência e agressividade, só existe na mente dos centralistas,maioritariamente lisboetas e sulistas.

Pedro disse...

Para terminar caro camarada verde,

Época 2011/2012, ou seja, presente e sem ter de recorrer a jogos onde esteja envolvido o clube "mais grande", aqui tens uma entrada semelhante.

Foi só amarelo.

http://www.youtube.com/watch?v=aT8UfZauCa8

Pelo menos o Secretário foi expulso por acumulação.

Peyroteo disse...

Mas eu falei em adeptos? Isso é só para desviar a conversa.
Falei em agressividade e intimidação dentro de campo, que era constante. Quantas vezes se via a equipa inteira do Porto a perseguir árbitros? Esse lance do Secretário é elucidativo. Uma agressão bárbara e meia dúzia de gajos enraivecidos por o árbitro ter a lata de mostrar um amarelo ao jogador. Já agora, a punição ao Jeffrén foi igual à do Secretário. O que interessa se o Secretário já tinha amarelo antes? Eram as duas para vermelho directo.

Pedro disse...

Não camarada quem foge aqui a questões és tu.

Ainda não me respondeste se a expulsão do Jusk em 93/94 foi justa.

Se consideras que existe uma tabela,para classificar entradas assassinas, por favor elucida-me. Tenho muito gosto em aprender isso.

Então intimidação, por parte dos jogadores só existe no Porto?

Quantas e quantas jogadas acabam com jogadores encostados ao árbitro?

E em todos os clubes.

Estás de novo a tergiversar

Jorge Borges disse...

Ó Pedro, eu sou do Benfica, e até me estava a divertir com estes videos...
Mas depois do que tu escreveste, ver o 1º video que o Peyroteo linkou, eu calava-me e não dizia mais nada.
Ter sarrafeiros como André, Paulinho, Santos, Secretário, e Fernando Couto, entradas sucessivas para vermelho directo no inícvio do jogo e acabar com 11 é de facto obra, que é como quem diz... (muita) fruta

Pedro disse...

Chamares sarrafeiros a jogadores que representaram a selecção portuguesa, foram campeões,reconhecidos internacionalmente,com titulos nacionais e internacionais...

Epá nessa mesma época e só para ti:

Nelo,Mozer, Helder, Paneira...só meninos bonitos

Jorge Borges disse...

pronto, peço desculpa pedro, se esses jogadores têm esse palmarés nunca poderiam ser sarrafeiros. Aliás tem toda a lógica. Como é que eu nunca vi isso.

És internacional?, Foste campeão?, reconhecido internacionalmente? com palmarés? então não dás porrada. Fo**-se!!! C*****o de argumento!!!

Peço desculpa por ter "insultado o Bruno Alves". :)

De facto, para discutir com argumentos assim, mais valia ter estado calado. Só perdi o meu tempo.

Peyroteo disse...

Posso responder, perfeitamente. O Juskowiak foi bem expulso, o problema é que existiram pelo menos 4 entradas iguais de jogadores do Porto sem a mesma sanção. E imagina o que o Couto terá feito ao Jusko para este perder a cabeça.
Ficamos a saber que Paulinho Santos, Fernando Couto ou André eram jogadores com comportamento normal ou até melhores que os outros, uma vez que eram internacionais.

Pedro disse...

Não admito que são piores ou melhores,simplesmente quis demonstrar que foram e são iguais.

Infelizmente no vosso maldizer, só os do Porto, são arruaceiros e caceteiros.

Enquanto não houver sintonia, na vossa cabeça.a rádio que vocês vendem, não me "assiste"!

Isso e o Sr. Cotovelos que hoje joga na frente do benfica. Esse santo por emular.